Vitamina D poderá evitar síndrome metabólica na pós-menopausa

Estudo publicado na revista “Maturitas”

23 março 2018
  |  Partilhar:
Um estudo demonstrou uma forte associação entre a deficiência de vitamina D e a síndrome metabólica em mulheres na pós-menopausa.
 
Segundo a Fundação Portuguesa de Cardiologia, a síndrome metabólica, um conjunto de fatores que fazem aumentar o risco cardiovascular e diabetes, afeta mais de um terço da população portuguesa adulta.
 
Para o estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp da Universidade de São Paulo, Brasil, foram recrutadas 463 mulheres com idades compreendidas entre os 45 e os 75 anos de idade. A última menstruação das mulheres tinha ocorrido pelo menos um ano antes e não apresentavam problemas cardíacos existentes ou pré-existentes.
 
As participantes foram monitorizadas durante dois anos. Para diagnosticar a síndrome metabólica as mulheres tinham que apresentar três ou mais dos parâmetros típicos: perímetro da cintura superior a 88 cm, tensão arterial alta (acima de 130/85 mmHg), glicose elevada no sangue (glicose em jejum superior a 100 mg/dL), e níveis anormais de triglicerídeos (superiores a 150 mg/dL) e colesterol (HDL inferior a 50 mg/dL).
     
Foi verificado que 57,8% das mulheres com insuficiência de vitamina D (20-29 nanogramas por mililitro de sangue) ou deficiência de vitamina D (menos de 20 nanogramas por mililitro) apresentavam síndrome metabólica, contra 39,8% das participantes com níveis suficientes de vitamina D (30 nanogramas por mililitro).
 
“Descobrimos que quanto mais baixo o nível de vitamina D, maior a ocorrência de MetS [síndrome metabólica]. Os resultados sugerem que suplementar e manter níveis adequados de vitamina D nas mulheres na pós-menopausa pode reduzir o risco da doença”, comentou Eliana Nahas, uma das autoras do estudo.
 
Mais estudos são necessários, consideram os investigadores que têm vindo a estudar os efeitos da vitamina D sobre doenças crónicas como a obesidade, hipertensão, diabetes, e consequentemente a síndrome metabólica, e o cancro da mama.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar