Vírus “inofensivo” associado a doenças cardiovasculares

Estudo publicado na revista “Theranostics”

16 agosto 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores descobriu uma associação inesperada entre um vírus do herpes e a ocorrência de danos cardiovasculares por células imunitárias.
 
Com efeito, os investigadores da Faculdade de Medicina de Brighton e Sussex, Reino Unido conduziram um estudo sobre o citomegalovírus (CMV), um vírus muito comum e semelhante ao do herpes que causa erupções na pele dos lábios, e é considerado inofensivo. Muitas pessoas não se apercebem que têm o vírus pois o sistema imunitário tem-no sob controlo.
 
O estudo liderado por Florian Kern, especialista em Imunologia, demonstrou que um número clinicamente relevante de um tipo específico de células imunitárias está presente apenas quando se desenvolve uma infeção por CMV.
 
As células conhecidas como células T CD4+CD28null causam danos nas bactérias que rodeiam o coração. Pensava-se que a acumulação das mesmas era uma consequência natural do processo de envelhecimento.
 
A equipa descobriu ainda que certos tipos de tecido, determinados de forma genética, tornam as pessoas mais suscetíveis a possuírem uma quantidade elevada daquele tipo de células.
 
“Embora anteriormente soubéssemos de uma ligação entre estas células imunitárias e danos cardiovasculares, este estudo é o primeiro a demonstrar que ocorrem números suficientes para provocarem danos apenas na presença dessa infeção”, revelou Alejandra Pera, autora principal do estudo.
 
Perante os achados, Florian Kern conclui que “o nosso estudo sugere que a infeção por citomegalovírus é um fator clínico importante a ser considerado nas doenças coronárias e aterosclerose avançada e aumenta a possibilidade de o tratamento do vírus ser mais eficaz na gestão ou mesmo prevenção da doença coronária numa proporção tangível de pacientes. O tipo de tecido poderá ajudar a identificar os indivíduos que correm um maior risco”. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar