VIH: como é que as células se protegem da infeção?

Estudo publicado na “Nature Immunology”

15 fevereiro 2012
  |  Partilhar:

Investigadores americanos descobriram o mecanismo através do qual algumas células do sistema imunológico conseguem impedir a disseminação do VIH, dá conta um estudo publicado na revista “Nature Immunology”.

 

Neste estudo os investigadores do NYU Langone Medical Center, em Nova Iorque, EUA, centraram a sua atenção numa proteína, a SAMFH. Estudos anteriores já tinham demonstrado que as células que apresentavam está proteína, as células dendríticas, eram resistentes à infeção pelo VIH. Desde esta descoberta, que a comunidade científica tenta entender como é que a SAMFH protege estas células, na esperança de descobrir uma forma de proteger, as outras células do sistema imune, deste tipo de infeção.

 

O estudo revelou que a SAMFH destrói os desoxinucleotídeos trifosfatos (dNTPs), que são as estruturas base do ADN, sem os quais os vírus não se conseguem replicar dentro das células hospedeiras. Como resultado, a forma mais do comum do VIH não infeta estas células, e em vez disso, o vírus evolui de forma a conseguir replicar-se num outro tipo de células do sistema imunitário, os linfócitos TCD4, que não expressam a SAMFH.

 

Um dos autores do estudo, Nathaniel R. Landau, explicou que o vírus evolui de tal forma que, provavelmente, consegue deliberadamente evitar a infeção das células que expressam a SAMFH de forma a impedir que seja dado o alerta a outras células do sistema imunológico que iriam ativar os vários mecanismos antivirais de destruição do vírus.

 

"Os vírus são extremamente inteligentes na forma como invadem as células do sistema imunitário”, revelou, em comunicado de imprensa, Nathaniel R. Landau. "Eles evoluíram rapidamente e têm formas para evitar os sistemas que nós temos para nos proteger. É um pouco de uma guerra evolutiva e os vírus, infelizmente, costumam vencer. Queremos perceber como o inimigo luta para que possamos sair vitoriosos no final. “

 

Entender o mecanismo pelo qual a SAMHD1 protege as células pode fornecer informações importantes de como parar ou abrandar a capacidade que os vírus têm em se disseminar. Com base nos resultados deste estudo, investigações futuras poderão concentrar-se, por exemplo, em formas de aumentar a expressão da SAMFH nas células ou reduzir a quantidade de dNTPs nas células que estão mais vulneráveis à infeção.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.