Viciados no jogo podem chegar aos 20 mil

Tema pouco estudado em Portugal

16 setembro 2016
  |  Partilhar:
Em Portugal existem entre 15 a 20 mil viciados em jogo, uma dependência que pode demorar até dez anos a desenvolver-se, de acordo com especialistas presentes numa conferência internacional sobre jogo.
 
A 11.ª conferência europeia que está a decorrer até hoje em Lisboa abordou o tema “Desenvolvimento do invisível e desconhecido: pesquisa, responsabilidade e regulamentação”.
 
O presidente da Sociedade Científica Ibero Latino-Americana para o Estudo do Jogo, Henrique Lopes, e também investigador da Unidade de Saúde Pública do Instituto de Ciências da Saúde, da Universidade Católica, referiu à agência Lusa que este é um tema pouco estudado em Portugal.
 
Foi Henrique Lopes quem, há quase uma década, avaliou a epidemiologia do jogo em Portugal (e fundamentou a defesa de Portugal num processo no Tribunal Europeu de Justiça, que o país ganhou contra uma empresa austríaca de apostas), mas, segundo o especialista, mais nada foi feito desde então, quando se concluiu que havia entre 0,16 a 0,20 por cento da população potencialmente dependente.
 
Os números indicavam uma percentagem idêntica à de outros países e segundo Pieter Remmers, secretário-geral da Associação Europeia para o Estudo do Jogo (EASG, na sigla original) não há na Europa um aumento de viciados em jogo, apesar do aparecimento dos jogos na internet.
 
“Mais jogadores online não quer dizer mais adições. Há uma pequena minoria de patologias, não há uma grande percentagem e o problema não é tão grande como se pensa”, disse à agência Lusa, admitindo também que em Portugal a questão é pouco estudada.
 
Henrique Lopes acrescentou que “é preciso estudar uma atividade que movimenta milhares de milhões de euros por ano”. No entanto, o especialista refere que nada se tem feito e dá um exemplo: a influência da raspadinha pode ser importante em grupos específicos e isso não se está a estudar.
 
“Hoje, há coisas perversas no mercado, como operadores que oferecem jogos de roleta para crianças com seis e sete anos. Quando for a dinheiro, daqui a 10 anos, qual será o resultado? Há novos riscos que não estão acautelados, há situações de saúde mental que aumentam enormemente a probabilidade de viciação”, alertou.
 
Em Portugal, como noutros países, quem mais joga é quem menos dinheiro tem. E há cinco anos foram mais de dez mil os casos em tribunal ligados ao jogo. Henrique Lopes deixa ainda outro número: a probabilidade de suicídio em viciados em jogo é 30 vezes superior ao considerado normal.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.