Vacina experimental poderá reduzir o risco de coágulos após um AVC

Estudo publicado na revista “Hypertension: Journal of the American Heart Association”

31 outubro 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores está a desenvolver uma vacina que reduz o risco de acidentes vasculares cerebrais (AVC) secundários causados por coágulos sanguíneos.
 
A vacina que é experimental demonstrou ainda não aumentar o risco de hemorragias graves ou de desencadeamento de uma resposta autoimune e poderá um dia vir a substituir os anticoagulantes orais.  
 
Denominada S100A9, a nova solução está a ser desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Osaka, Japão, e demonstrou resultados muito promissores em ratinhos.
 
Os investigadores indicaram que a inexistência de uma resposta autoimune é importante porque significa que o sistema imunitário dos ratinhos não percecionou a vacina como sendo um intruso que tem que ser atacado e exterminado. O contrário poderia ter causado uma reação à vacina. 
 
A vacina S100A9 consegue inibir a formação de coágulos de sangue e evitou que as artérias dos ratinhos tratados formassem novos coágulos, durante mais de dois meses. A vacina demonstrou ainda a mesma eficácia proporcionada pelo fármaco oral anticoagulante clopidogrel, numa das artérias principais. 
 
Hironori Nakagami, coautor deste estudo, considera que desenvolver uma vacina que substitua e/ou complemente as medicações diárias orais poderá salvar muitas vidas e ajudar a evitar AVC secundários e possíveis ataques cardíacos. 
 
“Muitos pacientes de AVC não tomam os seus fármacos anticoagulantes como prescrito, o que os torna mais suscetíveis de terem outro AVC. Esta vacina poderá um dia ajudar a resolver este problema pois só necessitaria de ser injetada periodicamente”, considerou. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar