Vacina contra a malária reduz casos de infecção para metade

Estudo preliminar publicado no “New England Journal of Medicine”

21 outubro 2011
  |  Partilhar:

Os resultados preliminares de uma das vacinas contra a malária a ser testada actualmente, publicados no “New England Journal of Medicine”, revelam que as crianças vacinadas têm metade das hipóteses de contraírem a doença.

 

A vacina, que está a ser desenvolvida pela empresa farmacêutica britânica GlaxoSmithKline, é uma de duas a serem testadas no mundo.

 

O estudo que lhe está na base decorreu durante 2009, envolveu 15 mil crianças com menos de 18 meses, em sete países de África, o continente mais afectado pela malária (Burkina Faso, Gabão, Gana, Quénia, Maláui, Moçambique e Tanzânia).

 

Conduzido por dezenas de cientistas, o estudo envolveu dois grupos de crianças: recém-nascidos entre as seis e as doze semanas e bebés entre os cinco e os dezassete meses. Passado um ano, registou-se metade dos casos de malária no grupo de crianças mais velhas, que receberam a vacina, comparando com as mais novas, que não a receberam.

 

Citado pela agência Lusa, o laboratório farmacêutico sublinhou, no entanto, que a vacina nunca estará disponível antes de 2015, sendo necessário esperar pelos resultados definitivos, primeiro, e pela análise das agências internacionais, depois.

 

Ainda não foi fixado um preço para esta potencial vacina contra a malária, mas Andrew Witty, chefe executivo da GlaxoSmithKline, citado pela BBC online, garantiu que o laboratório – que já investiu 300 milhões de dólares (218,5 milhões de euros) até agora e deverá ainda gastar entre 50 a 100 milhões mais – “não pretende fazer dinheiro com este projecto”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.