Uvas reduzem insuficiência cardíaca associada à hipertensão

Estudo publicado no “Journal of Nutritional Biochemistry”

08 maio 2013
  |  Partilhar:

As uvas são capazes de reduzir a insuficiência cardíaca associada à hipertensão através do aumento de atividade de vários genes responsáveis pela defesa antioxidativa no tecido cardíaco, sugere um estudo publicado no “Journal of Nutritional Biochemistry”.
 

Estima-se que cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo sofra de hipertensão arterial, o que aumenta o risco de insuficiência cardíaca em 2 a 3 vezes. A insuficiência cardíaca decorrente da hipertensão crónica pode resultar na dilatação do músculo cardíaco, tornando-se este espesso, rígido e incapaz de bombear o sangue de uma forma eficaz.
 

O stress oxidativo está fortemente associado à insuficiência cardíaca. Por outro lado, baixos níveis do antioxidante mais abundante no coração, a glutationa, já tinham sido observados em modelos de insuficiência cardíaca humana e animal. Estudos anteriores também já tinham apurado que o consumo de uma dieta rica em antioxidantes, composta por elevadas quantidades de fruta e vegetais, reduz os níveis de pressão arterial elevada.
 

Neste estudo os investigadores University of Michigan Health System, nos EUA, alimentaramratinhos hipertensos e suscetíveis à insuficiência cardíaca com uma dieta rica em uvas, ao longo de 18 dias. Os resultados encontrados foram de encontro aos observados anteriormente, ou seja, o consumo de uvas diminui a dilatação do músculo cardíaco e fibrose e aumentou a função diastólica. Adicionalmente os investigadores verificaram que o consumo de uvas conduziu a um aumento da atividade de genes associados com o aumento da produção de glutationa.
 

"Os nossos estudos anteriores mostraram que as uvas podem proteger contra a espiral descendente de insuficiência cardíaca hipertensiva, mas o mecanismo ainda não era conhecido. Os resultados apresentados neste estudo, incluindo a capacidade das uvas influenciarem várias vias genéticas associadas à defesa antioxidativa, são mais uma indicação que os efeitos benéficos deste fruto ocorrem a vários níveis”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, E. Mitchell Seymour.
 

Os investigadores encontram-se já a planear experiências futuras de forma a definir o mecanismo de ação das uvas e comparar o impacto que o consumo do fruto na sua totalidade ou dos seus vários polinutrientes têm na insuficiência cardíaca associada à hipertensão.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.