Uvas e mirtilos estimulam o sistema imunitário

Estudo publicado na revista “Molecular Nutrition and Food Research”

20 setembro 2013
  |  Partilhar:

O resveratrol presente nas uvas vermelhas e o pterostilbeno nos mirtilos, estimula o sistema imunitário, sugere um estudo publicado na revista “Molecular Nutrition and Food Research”
 

Após terem analisado cerca de 446 compostos, os investigadores da Universidade de Oregon State, nos EUA, constataram que estes dois compostos, denominados por estilbenoides, trabalham em sinergia com a vitamina D e têm um significativo impacto no aumento de um peptídeo antimicrobiano, codificado pelo gene CAMP, que está envolvido na função imunitária.
 

O resveratrol tem sido alvo de dezenas de estudos devido aos seus possíveis efeitos, desde melhorar a saúde cardiovascular, até combater o cancro ou reduzir a inflamação. Este é o primeiro estudo a demonstrar uma clara sinergia com a vitamina D, que aumenta a expressão de CAMP várias vezes.
 

O gene CAMP também tem sido muito estudado, tendo sido demonstrado que desempenha um papel importante no sistema imune inato, ou seja, a primeira linha de defesa do organismo, capaz de combater as infeções bacterianas. Este tipo de resposta é particularmente importante na medida em que muitos antibióticos têm perdido a sua eficácia.
 

Tem sido sugerido que há uma associação importante entre os níveis adequados de vitamina D e o funcionamento do gene CAMP. Este estudo sugere agora que existem outros compostos, os estilbenoides, que podem desempenhar também um papel importante.
 

De acordo com os investigadores, este compostos, produzidos pelas plantas para combater as infeções, parecem afetar algumas vias de sinalização que permitem à vitamina D exercer a sua função. A combinação destes compostos com a vitamina D tem um impacto biológico mais elevado que qualquer um deles teria separadamente.
 

O foco das investigações neste tipo de compostos poderá ajudar a compreender melhor como a dieta e a nutrição afetam o sistema imunológico, e possivelmente conduzir ao desenvolvimento de compostos naturais terapêuticos que consigam aumentar a resposta imune. Os investigadores, liderados por Adrian F. Gombart, acrescentam ainda que este tipo de compostos pode também ser utilizados a nível tópico para aumentar as barreiras de defesa no caso das feridas ou infeções.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.