Uma questão de euros paralisa médicos

Estão prometidas três semanas de greve

11 agosto 2003
  |  Partilhar:

 

O não pagamento das horas extra em urgência pela tabela mais alta do regime de trabalho médico é a razão pela qual os médicos dos hospitais de S. José, Curry Cabral e Capuchos-Desterro, em Lisboa, é a razão principal pela qual estes profissionais de saúde dão assas a uma paralisação de três semanas.
 

 

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) é o responsável pela greve que promete, sobretudo, criar dificuldades de acesso aos cuidados de saúde por parte de quem deles muito precisam: os pacientes.
 

Coincidência ou não, segundo a Lusa, a convocação desta greve por parte do SIM tem início no mesmo dia em que termina uma outra que o sindicato convocou para os mesmos hospitais, que decorreu desde o dia 29 de Julho.
 

O SIM e o outro sindicato dos clínicos, a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) vão aproveitar esta paralisação para levar a cabo um leque de sessões de esclarecimento nas instituições em greve, estando igualmente previstas reuniões nos hospitais de Santa Marta e D. Estefânia, bem como na Maternidade Alfredo da Costa.
 

No decorrer do dia de hoje, os dois sindicatos agendaram ainda um plenário de todos os hospitais civis para o dia 24 de Setembro.
 

 

Fonte: Lusa
 

Adriana José Oliveira
 

MNI – Médicos Na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar