Uma hora de marcha semanal poderá evitar incapacidade por osteoartrite

Estudo publicado na “American Journal of Preventive Medicine”

03 abril 2019
  |  Partilhar:
Um novo estudo demonstrou que toda a marcha rápida, mesmo que seja por pouco tempo, pode ajudar os idosos com osteoartrite a evitarem incapacidade devido à doença. 
 
“Isto é menos de 10 minutos por dia para as pessoas manterem a sua independência. É muito viável”, avançou Dorothy Dunlop, investigadora que liderou a equipa responsável pelo estudo, da Faculdade de Medicina da Universidade de Northwestern, EUA. 
 
Os investigadores seguiram, durante quatro anos, mais de 1.500 adultos que participavam numa iniciativa norte-americana para a osteoartrite. 
 
Todos os participantes se queixavam de dores, sensibilidade ou rigidez nas articulações das extremidades inferiores devido a osteoartrite. Nenhum dos adultos apresentava incapacidade no início do estudo e a sua atividade física foi monitorizada através de acelerómetros. 
 
Dorothy Dunlop explicou que o objetivo da equipa era verificar que tipo de atividade poderia ajudar as pessoas a manterem-se sem incapacidade. 
 
Como resultado, os investigadores observaram que uma hora semanal de atividade física moderada a vigorosa permitia que os participantes mantivessem a sua capacidade de executarem tarefas rotineiras como vestirem-se ou atravessarem uma rua antes de o semáforo verde passar para vermelho. 
 
Uma hora de atividade física semanal permitiu que os participantes reduzissem o risco de incapacidade motora em 85% e o risco de executarem tarefas diárias em quase 45%.
 
Quatro anos após o início do estudo, 24% dos adultos que não desempenhavam uma hora semanal de atividade rápida caminhavam com demasiada lentidão para poderem atravessar uma rua em segurança e 23% relatava ter problemas para desempenhar as tarefas da rotina matinal. 
 
“Esperamos que este novo achado de saúde pública origine um objetivo de atividade física intermédia”, comentou Dorothy Dunlop. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar