Uma faca de dois gumes que actua nos cromossomas humanos

Saiba um pouco mais sobre uma peça do seu organismo chamada telomerase. É ela que concerta as extremidades dos seus cromossomas!

27 agosto 2001
  |  Partilhar:

A enzima telomerase, enzima que repara as extremidades dos nossos cromossomas e se acreditava poder prevenir o desenvolvimento do cancro, pode, na verdade, promovê-lo.
 

 

Ao ser, por vezes, demasiado lenta na reparação dos danos nas pontas dos cromossomas, a telomerase poderá promover o desenvolvimento de certos cancros, de acordo com um grupo de investigadores da Harvard Medical School, liderados pelo Dr. Ronald DePinho.
 

 

O ADN das células humanas está organizado em cromossomas. Cada vez que a célula se divide, há um certo grau de erosão na extremidade dos cromossomas, o que obriga a que se realizem reparações pela enzima telomerase. Quando as extremidades dos cromossomas, designadas telómeros, se tornam demasiado curtas, podem perder-se fragmentos dos cromossomas, alguns cromossomas podem ligar-se a outros, entre outros problemas.
 

 

Estes erros são depois potenciados aquando das divisões celulares seguintes, de onde resulta a possibilidade de desenvolvimento de um cancro.
 

 

As células dos cancros humanos parecem ter altos níveis de telomerase, o que levou alguns cientistas a tentar desenvolver métodos para diminuir a concentração de telomérase nos tumores. No entanto, estes investigadores de Harvard mostraram que a deficiência de telomérase também é perigosa já que se observaram diferentes tipos de tumores em ratinhos deficientes nesta enzima.
 

 

A hipótese avançada por estes cientistas é a de que os altos níveis de telomerase observados em muitos tumores humanos resulta de uma resposta da célula no sentido de corrigir defeitos nos telómeros (extremidades dos cromossomas). No entanto, este aumento da enzima telomérase no tumor pode ser contraproducente por permitir que as células tumorais controlem os seus danos. Na ausência da enzima, é possível que se continuassem a acumular erros até à morte da célula.
 

 

Assim, a telomerase parece funcionar como uma faca de dois gumes: por um lado, evita as alterações em células normais e, por outro, poderá estabilizar os danos de células tumorais, permitindo-lhes sobreviver e multiplicar.
 

 

Fonte: Nature Science Update

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.