Uma em três pessoas no mundo tem cancro

Especialista fala no futuro do combate às doenças

03 novembro 2004
  |  Partilhar:

Uma em três pessoas no mundo tem cancro, estimou um conhecido cientista chinês, alertando que o número de doentes está a aumentar, apesar dos avanços no desenvolvimento de medicamentos mais eficazes contra as células malignas. Tak Mak, responsável pela descoberta dos genes receptores das células «T», essenciais na supressão dos tumores, entre outros contributos para a biopatologia do cancro, falava à agência EFE durante uma visita de trabalho a Madrid. Para o cientista, que actualmente dirige o Instituto do Cancro de Ontário, Toronto, Canadá, coloca-se à investigação o desafio de desenvolver medicamentos concebidos para combater apenas as células doentes sem destruição de parte das saudáveis, com os consequentes efeitos que isso comporta para o doente. Segundo o especialista, cujos estudos sobre a sobrevivência e a morte celular em doenças como a leucemia, o cancro da mama ou a Sida o transformaram numa autoridade mundial em imunologia, «é necessário aprofundar as terapias directas à mutação genética» na célula cancerígena, porque esta é a única que é necessário destruir para garantir maior longevidade e qualidade de vida ao doente. «A incidência do cancro está a aumentar e cada vez mais é maior o número de pessoas que sofre da doença», com uma subida de 15 por cento no volume de doentes nos últimos trinta anos, sendo os tipos de cancro mais frequentes os do cólon, próstata, pulmão e mama, segundo os dados do cientista.  Assim, «hoje curamos quase por completo sessenta por cento dos diferentes tipos de cancro, enquanto que há trinta anos a proporção era de 40 por cento», disse. No entanto, o número de mortos é semelhante pelo aumento dos casos detectados, insistiu o perito. Tak Mak recordou que o cancro, causado por mutações na célula do ADN (ácido desoxirribonucleico), se deve numa percentagem de cinco por cento a motivos genéticos, mas também é consequência do tipo de vida (tabaco, álcool). Cerca de 10 por cento dos casos são provocados por vírus e bactérias. Fonte: Lusa

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.