Um filho aproxima sistema imunológico dos pais

Estudo publicado na revista “Nature Immunology”

18 fevereiro 2016
  |  Partilhar:

Criar um filho em conjunto tem um maior efeito no sistema imunológico que a vacina da gripe ou uma gastroenterite, defende um estudo publicado na revista “Nature Immunology”.
 

De forma a tentar perceber melhor o que dita a variação do sistema imunológico entre indivíduos, os investigadores da VIB e da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica e do Instituto Babraham, no Reino Unido, analisaram detalhadamente os sistema imunológico de 670 indivíduos, com idades compreendidas entre os dois e os 86 anos.
 

Após terem avaliado vários fatores, incluindo idade, sexo e obesidade, os investigadores constataram que um dos fatores que alterou mais o sistema imunológico de um indivíduo foi a copaternidade de uma criança. Os indivíduos que viviam juntos e partilhavam uma criança apresentavam uma redução de 50% na variação entre os sistemas imunitários, comparativamente com a diversidade observada na população em geral.
 

“Uma vez que a parentalidade é um dos desafios ambientais mais intensos a que alguém se submete, tem sentido que esta reestruture radicalmente o sistema imunológico”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Adrian Liston.
 

Ainda assim os investigadores ficaram surpresos ao terem verificado que ter um filho é o desafio imunológico mais potente que uma gastroenterite severa. “Isto é pelo menos algo a ser considerado pelos futuros pais, a privação de sono, o stress, as infeções crónicas e todos os outros desafios da parentalidade faz mais do que simplesmente dar cabelos brancos”, acrescentou.
 

Para o estudo os participantes foram avaliados ao longo de três anos. Verificou-se que o sistema imunológico dos participantes permaneceu estável ao longo do tempo, mesmo após este ter sido ativado através da vacina da gripe ou gastroenterite. Os investigadores constaram que após o sistema imunológico ser desafiado este tende a voltar ao seu estado inicial, o que demonstra a potencial plasticidade do nosso sistema imune.
 

Ao avaliar o efeito de outros fatores no sistema imunológico, como idade, obesidade, sexo, ansiedade e depressão, o estudo constatou que a idade é um fator importante na formação do perfil imunológico. Estes resultados vão de encontro ao declínio associado à idade observado na resposta à vacinação e à resistência reduzida à infeção.
 

Um dos colideres do estudo, Michelle Linterman, conclui que esta investigação demonstra que todos os indivíduos têm um perfil imunológico estável que é robustamente mantido. O que é diferente entre indivíduos é como o sistema imunológico se assemelha. “O nosso estudo demonstrou que a idade é realmente um fator determinante na aparência do perfil imune”, acrescentou o investigador.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.