Tumores raros: tratamento dever ser realizado em centros especializados

Defendem oncologistas do IPO-Porto

23 setembro 2014
  |  Partilhar:

Oncologistas defendem a necessidade de concentrar o tratamento dos sarcomas de tecidos moles e outros tumores raros em centros de referência para garantir a melhoria dos resultados terapêuticos.
 

De acordo com a notícia avançada pela agência Lusa, os especialistas defendem que o tratamento deste tipo de tumores é muito complexo e deve ser efetuado por equipas multidisciplinares especializadas, em hospitais que disponham dos recursos e da experiência necessários para a abordagem correta deste tipo de tumores. O diagnóstico preciso e o primeiro tratamento são determinantes para o prognóstico da doença e a taxa global de sobrevivência, que atualmente não ultrapassa os 50% aos cinco anos.
 

“Por ser tão raro, há hospitais que apenas tratam um caso destes por ano, não tendo a experiência necessária para prestar o melhor tratamento. Consideramos que só as instituições de saúde que estão preparadas para o diagnóstico e tratamento adequados aos sarcomas devem receber pacientes portadores destes tumores. Unidades hospitalares como o IPO-Porto, com experiência com utentes nesta situação deveriam ser as únicas instituições responsáveis pelo tratamento da doença”, revelou à agência Lusa o especialista do Serviço de Oncologia Cirúrgica do IPO-Porto, Augusto Moreira.
 

Em declarações à agência Lusa, Augusto Moreira referiu que as últimas estatísticas oficiais disponíveis, relativas ao ano de 2008, revelam que “no norte do país só existiram 182 casos durante esse ano” com esta patologia.
 

“Se num ano surgem 182 sarcomas no norte do país, se esses casos se espalharem por dez hospitais, quer dizer que cada hospital tratará 18 casos durante o ano, o que é claramente insuficiente”, sublinhou.
 

De acordo com o oncologista, as recomendações internacionais defendem que “os centros que tratam sarcomas de partes moles, devem tratar pelo menos 100 por ano e pelo menos 50 sarcomas de ossos. Se nós tivermos no norte do país 182, quer dizer que se houvesse só um centro estaria bem, se existirem dois já é dividir demasiado a experiência”.
 

“A nossa pretensão não é substituir-nos aos decisores políticos e a quem gere estas coisas, é tão só chamar a atenção para os factos. O ideal seria direcioná-los para um centro que tivesse experiência, que tratasse muitos casos destes e que, quer do ponto de vista de diagnóstico, quer de tratamento conseguisse obter melhores resultados”, acrescentou, referindo também uma “maior racionalidade de custos”.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.