Tuberculose: investigadores tentam encontrar os pontos fracos da bactéria

Estudo da Universidade de Coimbra

28 junho 2012
  |  Partilhar:

Um estudo português, sobre os genes que codificam as enzimas produtoras de polissacárideos raros (açucares complexos) envolvidos na constituição da parede das micobactérias, como as que causam tuberculose, foi contemplado com financiamento japonês.

 

A investigação é de uma equipa de micobacteriologia molecular liderada por Nuno Empadinhas, no Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (CNC-UC) e foi uma das 16 selecionadas com uma bolsa de 2,2 milhões de ienes (cerca de 20 mil euros), por um período de um ano, pela Mizutani Foundation for Glycoscience, fundação japonesa que há duas décadas promove a investigação na área das glicociências.

 

Nuno Empadinhas revelou à agência Lusa que o objetivo é “identificar os genes responsáveis pela síntese dos polissacáridos”, de forma a “encontrar um ponto fraco” das micobactérias, e, assim, impedi-las de poderem “desenvolver patogenicidade”.

 

Um dos grandes obstáculos desta investigação é “descodificar a função dos genes destas bactérias”, disse o especialista, sublinhando que estão ainda por descobrir as funções de mais de metade dos 4.000 genes da Mycobacterium tuberculosis, bactéria causadora da tuberculose.

 

Se o estudo correr como o previsto, “fica aberto o caminho a áreas como a biologia estrutural, engenharia química e farmacêutica em direção ao desenvolvimento de fármacos (antibióticos) que bloqueiem a função dos polissacárideos e a formação da parede, com consequências letais para as micobactérias”.

 

Este estudo poderá também ter impacto em “patologias causadas por outras micobactérias dispersas no ambiente, as não tuberculosas”.

 

“A crescente preocupação com estas micobactérias resulta do aumento no número de infeções em ambiente hospitalar, em pacientes imunodeprimidos, ou com fatores de risco como fibrose quística, diabetes e idade avançada”, revela o investigador.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar