Três em quatro mulheres não têm problemas sexuais na gravidez

Estudo publicado no “Journal of Sexual Medicine”

02 março 2010
  |  Partilhar:

A relação sexual é segura durante uma gravidez normal, afirmam os especialistas, mas para saberem o que, na verdade, sentem as grávidas sobre o assunto, uma equipa de médicos do hospital de Santa Maria, em Lisboa, realizou um estudo que foi publicado este mês no “Journal of Sexual Medicine”.

 

O estudo, liderado pela médica Joana Rocha Pauleta, do serviço de Obstetrícia, Ginecologia e Medicina da Reprodução daquele hospital, contou com 188 mulheres dos 17 aos 40 anos. Do questionário foram excluídas as grávidas consideradas de risco.

 

O inquérito permitiu verificar que quase todas as grávidas sexualmente activas tiveram relações sexuais durante a gestação; três quartos das participantes não relatavam problemas sexuais durante esta fase, contudo, 25% acreditavam que a prática sexual poderia prejudicar o bebé.

 

Entre os problemas relatados pelas mulheres, os investigadores destacam a perda de libido, dor durante a relação sexual, falta de orgasmo e dificuldade de lubrificação. Mas, apesar destas situações, apenas 11% das mulheres disseram sentir a necessidade de falar com um médico sobre o sexo durante a gravidez.

 

Os resultados indicaram, ainda, que 80% das mulheres tiveram algum tipo de actividade sexual no terceiro trimestre de gravidez, com 39% a relatar a prática de relações sexuais na semana do nascimento. A maioria das mulheres também relatou que a frequência sexual não foi reduzida até ao terceiro trimestre de gravidez e cerca de 40% disseram que a vontade de fazer sexo não mudou após engravidarem. Contudo, um terço das mulheres relatou, diminuição do desejo sexual.

 

“As relações sexuais vaginais não têm um impacto negativo na gravidez. Porém, muitos casais são relutantes em ter actividades sexuais quando entram no terceiro trimestre de gravidez pelo medo de magoar o bebé. É um equívoco comum que precisa de ser abordado com mais frequência e mais abertamente”, destacou o especialista em medicina sexual Irwin Goldstein, no editorial do “Journal of Sexual Medicine”, citado pelo sítio “WebMed”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.