Treino intervalado melhora função sanguínea em adultos mais velhos

Artigo publicado no “American Journal of Physiology - Heart and Circulatory Physiology”

18 outubro 2016
  |  Partilhar:

Os resultados de um estudo publicado no “American Journal of Physiology - Heart and Circulatory Physiology” revelam que o treino de resistência intervalado poderá ser usado para tratar a disfunção endotelial em adultos mais velhos, visto que melhora a circulação sanguínea e a dilatação dos vasos sanguíneos.
 

De acordo com os cientistas da Universidade da Columbia Britânica e do Hospital Geral de Kelowna, no Canadá, a disfunção do endotélio (tecido que reveste o interior do coração e dos vasos sanguíneos e linfáticos) contribui para um risco duas a quatro vezes superior de doença cardiovascular em doentes com diabetes tipo 2.
 

Atualmente encontram-se em voga planos de treino intervalado, que consistem em treinos em que períodos de exercício de elevada intensidade são intervalados com períodos de repouso ou baixa intensidade. O apelo por este tipo de exercícios resulta da sua duração reduzida (cerca de 20 minutos de treino) e por os períodos de repouso se encontrarem incluídos no tempo de treino.
 

Para este estudo, os cientistas canadianos compararam treino de resistência (focado nos membros inferiores) e cardiovascular (com bicicleta estática) intervalado para analisar de que forma estes dois regimes de treino afetavam a função endotelial.
 

Trinta e cinco voluntários com uma idade média de 56 anos foram distribuídos por três grupos: indivíduos com diabetes tipo 2; indivíduos que não realizavam exercício físico por hábito e que não tinham diabetes; e indivíduos que realizavam exercício físico regularmente e não tinham diabetes. Cada grupo realizou o mesmo plano de treino de 20 minutos, composto por três minutos de aquecimento, sete exercícios (de resistência ou cardiovasculares) com a duração de um minuto cada e um intervalo de um minuto entre cada exercício, e três minutos de exercícios de arrefecimento.
 

Os cientistas mediram o fluxo sanguíneo na artéria braquial imediatamente após o treino e entre uma a duas horas mais tarde.
 

Os dados recolhidos revelaram que todos os participantes que realizaram treino de resistência intervalado apresentaram uma melhoria na dilatação mediada pelo fluxo (DMF%) - uma métrica da função endotelial –, especialmente os pacientes com diabetes. Em relação ao treino cardiovascular intervalado, os indivíduos com diabetes apresentaram alterações da DMF% uma hora após o treino, aqueles que realizavam exercício de forma regular apresentaram melhorias após duas horas, enquanto os que não realizavam exercício físico habitualmente não registaram qualquer melhoria.
 

De acordo com os investigadores, em declarações reproduzidas no comunicado da Sociedade Americana de Fisiologia, este estudo demonstra que o exercício intervalado de resistência é um método de treino eficaz e eficiente para melhorar a função endotelial em pacientes com diabetes, assim como em indivíduos com ou sem hábitos de exercício físico regular.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar