Tratamento Hormonal sim - «desde que não existam contra-indicações»

SPG garante eficácia e segurança apesar da polémica

07 junho 2003
  |  Partilhar:

A Sociedade Portuguesa de Ginecologia (SPG) garantiu ontem a eficácia e segurança do tratamento hormonal de substituição na menopausa, apesar de estudos recentes o associarem a um maior risco de demência e cancro da mama.
 

 

A garantia surge depois da divulgação de vários estudos realizados nos Estados Unidos, segundo os quais a terapia hormonal de substituição (administrada para atenuar os sintomas e efeitos da menopausa) pode duplicar o risco de demência em mulheres com mais de 65 anos.
 

 

Resultados que agravaram a polémica em torno desta opção médica, depois de um primeiro alerta dado por cientistas norte-americanos que concluíram existir um aumento no risco de cancro da mama e de doenças cardiovasculares em mulheres sob tratamento.
 

 

Num documento a que a Agência Lusa teve acesso, a SPG alerta para o facto do "referido estudo não colocar em causa a eficácia e segurança das terapias hormonais de substituição prescritas (...) desde que não existam contra-indicações".
 

 

"Na parte do estudo agora divulgado só foi utilizada uma modalidade de tratamento, e só nas mulheres com idade avançada foi encontrado um aumento de risco das doenças crónicas, o que, a nível individual, é muito pequeno", lê-se no comunicado, assinado pelo presidente da SPG, Daniel Pereira da Silva.
 

 

Além disso, assegura, os médicos estão cada vez mais alertados para o facto destas terapêuticas não serem indicadas para a prevenção de doenças crónicas, como as cardiovasculares, osteoporose ou Alzheimer, uma vez que não reduzem os riscos futuros de saúde nestas áreas.
 

 

Por isso, prossegue o comunicado, os ginecologistas "não prescrevem terapias hormonais a doentes deste tipo".
 

 

"A terapia hormonal de substituição, quando bem prescrita, não está em causa pelos dados agora conhecidos", acrescenta.
 

 

A SPG refere ainda que estudos científicos provaram que as mulheres no período pós-menopausa necessitam de tratamento continuado para doenças como a osteoporose e as cardiovasculares, referindo ainda existirem já terapias eficazes e orientadas para essa necessidade.
 

 

Além disso, sustém, "um estilo de vida saudável, quanto à dieta e ao exercício físico, é o meio mais recomendável para a prevenção das doenças crónicas, nomeadamente para a demência".
 

 

Fonte: Lusa

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.