Tratamento da diabetes pode reduzir densidade mamária

Estudo da Universidade do Sul da Dinamarca

14 março 2016
  |  Partilhar:

O tratamento da diabetes, quer através da dieta ou da toma de medicamentos, diminui a densidade mamária, um dos fatores de risco mais fortes do cancro da mama. Por outro lado, a toma de insulina parece aumentar este risco, dá conta um estudo apresentado na 10ª Conferência Europeia do Cancro da Mama.
 

Os investigadores da Universidade do Sul da Dinamarca analisaram os resultados de 5.644 mulheres, com uma média de 36 anos, que tinham sido recrutadas para o estudo “Danish Diet, Cancer and Health” e que tinham sido submetidas a mamografias entre 1993 e 2001.
 

No total 137 tinha diabetes e 3.180 tinham mamas categorizadas como mistas ou densas. As mulheres com diabetes eram menos propensas a ter mamas mistas ou densas, por oposição às mais gordas. Estes resultados mantiveram-se inalterados mesmo após os investigadores terem tido em conta outros fatores, como o excesso de peso.
 

Os investigadores constataram que havia uma associação inversa e semelhante em 44 mulheres que controlavam a diabetes apenas através da dieta e em 62 que tomavam medicação para a condição. Contudo, as mulheres diabéticas que estavam a tomar injeções de insulina apresentavam um risco maior de terem mamas mistas ou densas. Estes resultados não sofreram alterações após os investigadores terem tido em conta o estado da menopausa e índice de massa corporal.
 

A diabetes está associada a um aumento do risco de cancro da mama, mas os mecanismos envolvidos ainda não estão claros. Uma das características das células cancerígenas é a sua capacidade de crescer rapidamente e de forma incontrolável, e de resistir à morte programada que ocorre nas células não cancerígenas. Portanto, os fatores de crescimento são cruciais para o desenvolvimento e progressão do cancro.
 

“Sabemos que a insulina é um fator de crescimento importante para todos os tecidos do organismo, e mesmo que não saibamos exatamente como esta hormona afeta o desenvolvimento das células cancerígenas, é altamente provável que aumente a densidade da mama ", revelou, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Zorana Jovanovic Andersen.
 

A densidade mamária é um dos maiores fatores de risco do cancro da mama. As mulheres com mamas densas (mais de 75% de densidade) apresentam um risco quatro a seis vezes maior de cancro da mama do que aquelas com uma densidade menor que 25%. Contudo, os investigadores referem que o facto de a insulina estar associada a um aumento da densidade mamária não significa que aumente o risco de cancro da mama.
 

“A densidade mamária é só um dos muitos fatores de risco envolvidos no desenvolvimento do cancro da mama”, conclui a investigadora.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.