Transplante renal: lista de espera chega aos dois mil

Comunicado da Sociedade Portuguesa de Nefrologia

05 setembro 2012
  |  Partilhar:

Em Portugal cerca de dois mil pacientes estão a aguardar um transplante renal para combater um problema que triplica as probabilidades de contração de doenças cardiovasculares.
 

A Sociedade Portuguesa de Nefrologia (SPN), estima que, em Portugal, cerca de 800 mil pessoas sofram de doença renal crónica.
 

“A progressão da doença é muitas vezes silenciosa, o que leva o doente a recorrer ao médico tardiamente, já sem qualquer possibilidade de recuperação”, refere o comunicado ao qual a agência Lusa teve acesso.
 

Atualmente existem 16 mil doentes em tratamento substitutivo da função renal, dois terços dos quais em diálise e os outros já transplantados.
 

No mês em que se comemora o Dia Mundial do Coração, SPN chama atenção para a associação entre o coração e os rins, alertando que qualquer estilo de vida que aumente o risco de doença cardíaca aumenta também o risco de doença renal.
 

“As pessoas com insuficiência renal têm três vezes mais probabilidade de ter doenças do coração e, adicionalmente, a pressão arterial elevada provoca tantos dados nos rins como no coração”, revelou, em comunicado de imprensa, o presidente da SPN, Fernando Nolasco.
 

O especialista acrescenta que “quanto mais avançada for a falência dos rins, maior é a probabilidade de haver também doença cardiovascular” e enfatiza que “o doente renal apresenta dez vezes mais probabilidades de morrer por enfarte do miocárdio”.
 

A SPN dá assim alguns conselhos para proteger o coração e os rins os quais incluem andar a pé, nadar, beber bastantes líquidos e trocar o elevador pelas escadas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.