Trabalho por turnos associado a um maior risco de diabetes tipo 2

Estudo publicado na revista “Occupational and Environmental Medicine”

29 julho 2014
  |  Partilhar:

O trabalho por turnos está associado a um maior risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2, sugere um estudo publicado na revista “Occupational and Environmental Medicine”.
 

Estudos anteriores já tinham sugerido que havia uma associação entre o trabalho por turnos e um maior risco de desenvolvimento de vários problemas de saúde, incluindo problemas digestivos, determinados tipos de cancro e doenças cardiovasculares. Contudo, até à data ainda não se sabia se a diabetes também poderia ser incluída nesta lista.
 

Nesse estudo, os investigadores da Universidade de Huazhong, na China, analisaram 12 estudos internacionais que incluíram mais de 226.500 participantes, 14.600 dos quais tinham diabetes. Após a análise de todos os resultados, os investigadores concluíram que o trabalho por turnos estava associado a um risco 9% maior de desenvolver diabetes, comparativamente com aqueles que tinham um horário laboral normal.
 

O estudo apurou também que este risco aumentava para os 37% no caso dos homens. Apesar de as razões para este achado ainda não estarem claras, os autores do estudo sugerem que os homens que trabalham por turnos devem prestar mais atenção às possíveis consequências para a saúde do seu horário laboral.
 

Os níveis diurnos da hormona masculina testosterona são controlados pelo relógio interno do corpo, assim, na opinião dos investigadores é possível que a interrupção repetida do ciclo de sono-vigília possa afetar os níveis desta hormona.   
 

Os investigadores observaram que os turnos rotativos, nos quais as pessoas trabalham, numa base regular, em diferentes partes do ciclo de 24 horas, em vez de trabalhar num padrão fixo de rotação estavam associados a um risco ainda mais elevado, 42%.
 

O trabalho por turnos rotativo dificulta o ajuste a adaptação a um ciclo de sono-vigília regular. Alguns estudos sugeriram que a falta de sono, ou uma baixa qualidade de sono, pode induzir ou piorar a resistência à insulina. Outros estudos também associaram o trabalho por turnos ao aumento de peso e perda de apetite, que são fatores de risco da diabetes.
 

Os investigadores referem ainda que apesar de este estudo ser de grandes dimensões, é um estudo observacional, não sendo assim possível tirar conclusões acerca das relações diretas de causa-efeito.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.