Tosse pode perdurar 18 dias

Estudo publicado nos “Annals of Family Medicine”

18 janeiro 2013
  |  Partilhar:

Quando a tosse perdura há mais de uma semana as pessoas tendem a pensar que necessitam de tratamento com antibiótico. Um estudo publicado recentemente nos “Annals of Family Medicine” explica que uma tosse aguda pode prolongar-se, em média, ao longo de 18 dias e que esta excessiva preocupação está a contribuir para a prescrição exagerada de antibióticos.
 

Os investigadores da University of Georgia, nos EUA, chegaram a esta conclusão após terem analisado os dados de 19 estudo observacionais realizados na Europa, USA, Quénia e Rússia. Por outro lado, através de um questionário realizado a 500 indivíduos, foi possível constatar que os pacientes esperam que a tosse se prolongue por apenas sete ou oito dias.
 

“Há uma discrepância entre o que as pessoas acreditam e o que acontece na realidade. Se alguém tem uma bronquite aguda e não está melhor após quatro a cinco dias, há a tendência de ir ao médico para que este lhes receite um antibiótico. E quando este não funciona, as pessoas vão de novo ao médico para que lhe seja prescrito outro”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Mark Ebell. Mas na verdade os antibióticos são ineficazes contra as tosses causadas por infeções virais.
 

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças, dos EUA, a tosse aguda é a responsável por cerca de três por cento das consultas de ambulatório. Mais de metade dos pacientes chega ao fim da consulta com uma receita de antibiótico. O investigador refere que esta percentagem deveria ser muito menor.
 

O estudo acrescenta que a toma desnecessária de antibióticos conduz a um maior risco de resistência bacteriana. Esta resistência resulta numa menor disponibilidade de tratamentos quando há uma ameaça séria para a saúde. Na realidade, as infeções estão a tornar-se de mais difícil tratamento, pois há cada vez menos antibióticos eficazes. Em alguns casos, nenhum deles funciona adequadamente. A preocupação de que vamos chegar a um ponto em que não haverá antibióticos que funcionem é uma preocupação real, refere o investigador.
 

Na opinião de Mark Ebell os pacientes necessitam de ser educados sobre a progressão natural da tosse aguda, bem como sobre as doenças, para que as suas expetativas se tornem mais realistas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 2Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.