Toda a gente mente...

...cerca de 200 vezes por dia

11 maio 2005
  |  Partilhar:

Investigadores defendem que a capacidade de enganar o próximo ajudou o desenvolvimento do cérebro dos seres humanos e até mesmo a desenvolver a linguagem.Calcula-se que as pessoas digam cerca de 200 «inverdades» por dia. Se é verdade que, em média, as pessoas mentem 200 vezes por dia, a estatística diz que, um indivíduo mente a cada cinco minutos. Alguns cientistas especializados em biologia da evolução sustentam que o desenvolvimento do cérebro dos seres humanos está associado à necessidade ancestral — e cada vez maior à medida que a sociedade se foi juntando em grupos complexos — de enganar. Ou seja, viver em bando, como atesta até mesmo a observação de alguns chimpanzés, implica dissimular alguma coisa em algum momento. Uma recente explosão de estudos sobre a mentira procura verificar até que ponto ela é inerente ao ser humano. Até agora, as conclusões possíveis apontam que é quase impossível viver sem enganar, tendo em conta o sentido social de omitir algumas opiniões ou de arranjar pequenas justificações. Mas, nem por isso se pode dizer que é um impulso instintivo. Um estudo feito por cientistas da Faculdade de Medicina da Pensilvânia, nos Estados Unidos, usou o exame de ressonância magnética para identificar as áreas do cérebro activadas quando alguém inventa uma patranha. Os psicólogos notaram que, sempre que os voluntários inventavam uma falsidade, a actividade de dois sectores do cérebro ficava mais intensa. Ambos ajudam na escolha dos conteúdos armazenados pela memória e actuam no controlo dos impulsos. Os cientistas concluíram, então, que as intrujices reprimem a condição cognitiva natural do homem, que é a da verdade. Ou seja: mentir exige uma ginástica especial dos neurónios do ser humano. Mesmo assim, os especialistas sustentam que a capacidade de dissimular foi se transformando numa necessidade quase vital. É o que os pragmáticos de hoje chamam de «inteligência social». E pode até ter influenciado o desenvolvimento da linguagem. Traduzido e adaptado por: Paula Pedro Martins Jornalista MNI-Médicos Na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.