Terapias digitais e robótica usadas para tratar demência

Congresso Internacional das Demências

23 fevereiro 2018
  |  Partilhar:
A robótica e terapias digitais no apoio a vítimas de demência estiveram em destaque no congresso internacional dedicado às doenças degenerativas do cérebro que decorreu em Belas, Sintra.
 
O psiquiatra Pedro Varandas, diretor da Casa de Saúde da Idanha, onde se realizou o congresso, disse à agência Lusa que já começou o uso de robôs e meios digitais na assistência a doentes em países como os EUA e o Japão.
 
Assinalando o envelhecimento da população portuguesa, o coordenador científico do congresso defendeu que "Portugal terá que pensar muito seriamente o que quer fazer nesta área", uma vez que não existe uma rede de cuidados específicos para estas doenças, que se estima que afetem "entre 50 mil a 60 mil pessoas" no país.
 
"Os equipamentos para internamento, por exemplo, são muito escassos. Quando as pessoas precisam de ser internadas, até por outras patologias, vão para dispositivos desadequados", referiu.
 
Meios digitais e robóticos que interagem com os doentes providenciam "conforto e dignidade" para os doentes, como "Paro", um robô com um grau de inteligência artificial que permite a interação com pessoas como se fosse um animal de estimação, e cujo criador, Takanori Shibata, esteve presente no congresso.
 
"Estas doenças não podem ser travadas, mas podem ser estabilizadas", disse Pedro Varandas, acrescentando que há "técnicas neuro-psiquiátricas" modernas que visam alguma "reabilitação cognitiva", tentando recuperar áreas da memória e melhorar o desempenho intelectual dos doentes, maioritariamente de idade avançada.
 
O risco genético é um fator importante no desenvolvimento destas doenças, entre as quais sobressai a doença de Alzheimer, mas os riscos ambientais decorrentes de "estilo de vida, alimentação, exercício", são também determinantes, disse.
 
Com as comunicações do congresso, o objetivo foi fazer um ponto de situação nos cuidados prestados e no conhecimento científico mais atual.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar