Ter rede social e familiar é indicativo de vida saudável

Estudo publicado na “PLoS Medicine”

29 julho 2010
  |  Partilhar:

Uma boa rede social e familiar aumenta a probabilidade de se ter uma vida mais longa, refere uma revisão de estudos realizada por investigadores da Brigham Young University, nos EUA, publicada na revista “PLoS Medicine”.

 

Para a revisão foram analisados dados de 148 estudos que observaram a relação entre a frequência da interacção humana e a saúde durante um período de sete anos e meio. O resultado aponta para o facto de os relacionamentos diminuírem em 50% o risco de morte, contudo, segundo os cientistas este valor pode ser bastante superior, dado que as investigações não abordaram a qualidade das relações interpessoais.

 

Em comunicado de imprensa da universidade, a equipa liderada por Julianne Holt-Lunstad e Timothy Smith refere que uma baixa interacção social coloca a vida em risco tanto quanto fumar mais de 15 cigarros por dia ou ser alcoólico. Nessa mesma comparação, não ter um bom suporte social coloca a saúde num risco superior ao de não praticar exercício físico e é duas vezes mais prejudicial do que a obesidade. 

 

Os autores alertam para o facto de a falta de relações sociais como factor de risco para a morte ainda não ser amplamente reconhecida pelo público e pelas organizações de saúde, adiantando que a família e os amigos influenciam de muitas maneiras uma boa saúde, seja pelo afecto, pelas conversas que nos permitem encontrar sentido para a vida ou pela responsabilidade que sentimos uns pelos outros.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.