Temperaturas baixas aumentam risco de perturbação do sono

Considerações de especialistas em medicina do sono

26 dezembro 2017
  |  Partilhar:
A associação de medicina do sono alertou para os riscos que o tempo frio, associado a alterações na qualidade do ar, pode trazer para o sono e aconselhou algumas medidas de prevenção, como “ventilar corretamente” os quartos.
 
Segundo apurou a agência Lusa, o presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono (APCMS), Miguel Meira e Cruz, chamou a atenção para alguns comportamentos “aparentemente inócuos” que as pessoas têm para aumentar o conforto e o bem-estar nas suas casas, mas que podem representar alguns riscos para a saúde.
 
Entre esses atos, o investigador do Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa aponta o acendimento de lareiras ou aquecimentos, o aumento das temperaturas dos banhos e dos alimentos ou o encerramento de portas e janelas.
 
As velas, incensos, produtos de limpeza ou simples atividades como cozinhar e aspirar também podem promover a emissão de uma grande variedade de poluentes (matéria particulada, compostos orgânicos voláteis, formaldeído, entre outros).
 
“Alguns destes comportamentos podem ser arriscados e, em muitos casos, comprometer mesmo a saúde” porque alteram a qualidade do ar nos espaços interiores, diz Miguel Meira e Cruz num comunicado enviado à agência Lusa.
 
Para minimizar a exposição e o impacto dos poluentes na saúde, “é essencial ventilar corretamente os espaços para diluir os poluentes”, dando especial atenção aos espaços onde se dorme para “garantir uma boa ventilação e, assim, um sono repousado e de qualidade”.
 
Miguel Meira Cruz lembra que, durante o período de sono, o organismo se encontra “mais vulnerável, com menor capacidade de responder de forma adequada a desafios ambientais”.
 
O impacto das variações da temperatura e a ventilação inadequada dos espaços podem promover um aumento do risco de perturbação respiratória, assim como um aumento de despertares e, consequentemente, uma má qualidade de sono, explicou.
 
“Estes aspetos podem ser particularmente significativos em idades extremas por diferentes motivos e, sobretudo, em doentes com alterações de sono estabelecidas ou com doença respiratória não controlada”, explicou.
 
Cláudio D'Elia, pneumologista pediátrico e membro da APCMS, também reconhece que a qualidade do ar é um fator determinante para o controlo da função respiratória nas crianças e que a atenção dedicada a este aspeto pode muitas vezes evitar complicações que afetam, por exemplo, os asmáticos.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar