Surto de gripe A em Valença é a primeira onda epidémica em Portugal

Escolas continuam abertas

04 novembro 2009
  |  Partilhar:

Desde o fim-de-semana que se registaram 330 casos de gripe A (H1N1) em alunos do concelho de Valença, distrito de Viana de Castelo. Para o director da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), o médico Constantino Sakellarides, o surto de gripe que assolou todas as escolas de Valença, à excepção de uma, é a "primeira onda epidémica" a nível local em Portugal.

 

"Até agora, os casos [de gripe A] tinham sido difusamente distribuídos pelo país, com excepção para alguns focos ocorridos em escolas", explicou à agência Lusa Constantino Sakellarides. O facto de o surto de gripe ter ocorrido em "praticamente todas as escolas do concelho indica que se trata, provavelmente, da primeira onda epidémica do país a nível local", apontou o especialista, o qual adianta que a situação deverá ser estudada.

 

Na sexta-feira, dos 1.600 alunos que frequentam as várias escolas do concelho de Valença, 300 faltaram às aulas por terem contraído gripe A (H1N1). Segundo o coordenador da Unidade de Saúde Pública do Alto Minho, Carlos Pinheiro, a gripe A "atingiu" todas as escolas do concelho, à excepção de uma, sendo que o número mais elevado de casos se regista na EB 2,3/S de Valença. Numa EB1 do concelho, a taxa de alunos infectados atinge mesmo os 43%.

 

As escolas do concelho vão, para já, continuar abertas e só se houver infecções entre os funcionários, em especial entre aqueles que asseguram o funcionamento da cantina, é que as escolas terão de encerrar.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.