Suplementos de cálcio podem danificar o coração

Estudo publicado no “Journal of the American Heart Association”

14 outubro 2016
  |  Partilhar:

A toma de cálcio sob a forma de suplementos pode aumentar o risco de acumulação de placas nas artérias. Contudo, uma dieta com elevado teor deste mineral parece ter um efeito protetor, dá conta um estudo publicado no “Journal of the American Heart Association”.
 

Os investigadores da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, referem que estes resultados vão ao encontro das crescentes preocupações científicas sobre os potenciais efeitos nocivos dos suplementos e incitam a consultar um médico antes da toma de suplementos de cálcio.
 

Para o estudo, os investigadores, liderados por Erin Michos, contaram com a participação de 2.742 indivíduos com idades compreendidas entre os 45 e os 82 anos. Cerca de 41% dos indivíduos eram de raça branca, 26% eram afro-americanos, 22% hispânicos e 12% eram chineses.
 

No início do estudo, em 2000, todos os participantes responderam a um questionário de avaliação dos hábitos alimentares para determinar a quantidade de cálcio ingerido através da ingestão de produtos lácteos, vegetais de folhas verdes e cereais e outros alimentos ricos em cálcio, como é caso dos cereais. Foram também identificados os fármacos e os suplementos que os participantes tomavam numa base diária.
 

Foram utilizadas tomografias cardíacas para medir a pontuação de cálcio nas artérias coronárias, uma medição da calcificação nas artérias e um marcador do risco da doença cardíaca quando os valores são superiores a zero. No início do estudo foi observado que 1.175 participantes apresentavam placas nas artérias cardíacas. O teste foi novamente repetido após dez anos para avaliação do aparecimento ou agravamento da doença arterial coronária.
 

Os investigadores começaram por dividir os participantes em cinco grupos, de acordo com a ingestão total de cálcio, proveniente do consumo de suplementos ou através da dieta. Após terem em conta a idade, sexo, raça, exercício físico, tabagismo, educação, peso, consumo de álcool, pressão arterial, glicemia e antecedentes familiares, os cientistas separaram os 20% dos indivíduos que tinham uma ingestão mais elevada de cálcio total, maior que 1.400 mg de cálcio por dia.
 

Estes participantes tinham, em média, um risco 27% menor do que os 20% dos participantes com a ingestão mais baixa de cálcio (menos de 400 miligramas de cálcio por dia) de desenvolver doença cardíaca.
 

Posteriormente, os investigadores focaram-se nas diferenças entre aqueles que apenas ingeriam cálcio através da dieta e aqueles que consumiam suplementos de cálcio. Após terem tido mais uma vez em conta os fatores que poderiam influenciar o risco de doença cardíaca, os que tomavam este tipo de suplementos apresentaram um risco 22% maior de terem uma pontuação de cálcio nas artérias coronárias acima de zero ao longo dos 10 anos, o que sugere o desenvolvimento da doença cardíaca.

 

Erin Michos concluiu que estes resultados indicam que o consumo de alimentos ricos em cálcio não é de todo prejudicial e podem até ser benéficos para o coração. Relativamente à toma de suplementos de cálcio, esta deve ser discutida com os médicos de forma a ajustar a dose adequada e a avaliar a real necessidade de os tomar.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar