Stress: cabeça e coração reagem de forma diferente

Estudo da Universidade de Birmingham

01 abril 2014
  |  Partilhar:

A cabeça e o coração dos indivíduos que sofrem elevados níveis de ansiedade reagem de forma distinta às reações stressantes, revela um estudo apresentado na reunião anual da Sociedade Americana Psicossomática.
 

O estudo levado a cabo pelos investigadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, demonstrou que a forma como os indivíduos com elevados níveis de ansiedade sentem que estão a responder a uma determinada tarefa e a forma como o corpo está de facto a responder não está relacionada uma com a outra.
 

Neste estudo, os investigadores liderados por Annie Ginty, mediram os níveis de ansiedade diária em 180 adolescentes. Foi também monitorizado o ritmo cardíaco enquanto os participantes descansavam, bem como durante a realização de uma tarefa psicologicamente stressante, como a realização de um teste de matemática sob pressão de tempo e avaliação social.
 

De forma a determinar a resposta biológica dos participantes, os investigadores utilizaram a diferença entre o ritmo cardíaco sentido durante a realização de uma tarefa stressante durante o tempo de descanso.
 

O estudo apurou que os indivíduos com elevados níveis de ansiedade no seu dia-a-dia referem ter sintomas somáticos mais elevados, nomeadamente sentirem o batimento cardíaco acelerado, imediatamente antes e durante a realização de uma tarefa stressante. Contudo, verificou-se que não há qualquer associação entre a resposta biológica ao stress e os sintomas somáticos durante um episódio de stress. Os investigadores também verificaram que não havia qualquer associação entre a resposta biológica e a ansiedade.
 

O estudo apurou também que os indivíduos mais ansiosos sentem-se menos controlados, sentem que tiveram um pior desempenho e acham a tarefa mais stressante. Não foram encontradas associações entre os níveis de ansiedade e o real desempenho dos participantes nas tarefas.
 

“O conhecimento destas dissociações é importante no tratamento de condições como o transtorno de ansiedade generalizado e distúrbio de stress pós-traumático”, concluíram os investigadores.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.