Sono profundo ajuda a regular níveis de glicose

Estudo apresentado na PNAS

07 janeiro 2008
  |  Partilhar:

A privação da parte mais profunda do sono altera o funcionamento da insulina e pode facilitar o aparecimento da Diabetes tipo 2, revela um estudo da University of Chicago, EUA, publicado na revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).
 

 

O sono é dividido em fases, de acordo com as ondas cerebrais e relaxamento muscular. Na fase mais profunda, as ondas cerebrais são lentas e o relaxamento muscular é mais intenso.
 

 

Nesse momento, o relaxamento muscular e as diminuições do ritmo cardíaco e respiratório permitem a recuperação das energias. Para chegar à fase de relaxamento, o corpo necessita passar por três etapas que vão preparar o organismo para a recuperação. As interrupções que podem tornar o sono superficial não permitem que se chegue ao estado mais profundo.
 

 

Até agora conheciam-se os efeitos da falta de recuperação sobre as actividades do dia seguinte, mas não sobre o metabolismo do açúcar.
 

 

Neste estudo, os cientistas avaliaram um grupo de voluntários, jovens e saudáveis, num laboratório de estudos do sono. Foram submetidos a três noites bem dormidas e em seguida a um período igual de noites onde não deixavam o sono chegar à fase profunda, sendo interrompido por ruído.
 

 

Os cientistas registaram as ondas cerebrais e recolheram sangue para avaliar o metabolismo da glicose. Os resultados mostraram que apenas três noites sem a fase profunda do sono levavam à diminuição da sensibilidade das células à insulina. Essa alteração fez os níveis de glicose no sangue subirem 23%.
 

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.