Sobreviventes de cancro do útero com mais risco de problemas cardiovasculares

Estudo publicado na revista “Journal of the National Cancer Institute”

10 maio 2018
  |  Partilhar:
As sobreviventes de cancro do útero são mais propensas a terem problemas cardiovasculares anos após o tratamento da doença, indicou um estudo recente.
 
Devido à introdução de tratamentos mais complexos, ao aumento estimado de diagnósticos, ao elevado índice de sobrevivência e à elevada mortalidade devido a doenças cardiovasculares das sobreviventes de cancro do endométrio, torna-se importante avaliar o impacto, a longo prazo, da doença sobre a saúde
 
Uma equipa de investigadores da Universidade de Utah, EUA, analisou dados de 3.621 sobreviventes de cancro do endométrio de uma base de dados populacional da cidade de Utah, diagnosticadas com a doença entre 1997 e 2012.
 
Como resultado da análise, a equipa verificou que cerca de 25,7% das sobreviventes daquele tipo de cancro tinham sido diagnosticadas com doenças cardíacas entre cinco a 10 anos após o diagnóstico da doença.
 
Foi ainda apurado que as sobreviventes de cancro do endométrio tinham uma propensão 47% mais elevada de serem diagnosticadas com doença cardíaca entre um a cinco anos, após o diagnóstico do cancro, e 33% maior de receberem um diagnóstico de doença cardíaca entre cinco a 10 anos após o diagnóstico do cancro.
 
A equipa observou entre um a cinco anos após o diagnóstico de cancro, um maior risco de aterosclerose periférica e vascular, hipotensão, tromboflebite, tromboembolismo, outras doenças circulatórias, linfáticas e das artérias nas sobreviventes. O risco de algumas doenças cardiovasculares persistiu entre cinco a 10 anos após o diagnóstico.
 
Finalmente, as pacientes que além de cirurgia tinham recebido quimioterapia ou radioterapia apresentavam um maior risco de doenças cardíacas e circulatórias entre um a cinco anos após o diagnóstico do cancro.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar