Sistema de saúde britânico vai distribuir heroína

Governo quer baixar números de dependência e infecção pelo HIV

09 dezembro 2002
  |  Partilhar:

A heroína está prestes a ser disponibilizada no Sistema Nacional de Saúde da Grã-Bretanha para quem necessitar da droga, como parte de uma nova estratégia do governo para combater o uso de narcóticos.
 

 

Cerca de 400 consumidores de heroína já conseguem a droga pelo sistema, através de receita médica. Mas a disponibilidade da droga ainda é precária em todo o país.
 

 

A nova estratégia, que tem vindo a ser alvo de uma série de críticas, visa o tratamento de consumidores de drogas pesadas como heroína e crack, cujo consumo tem vindo a crescer no país.
 

 

Para que o vício em drogas pesadas possa ser combatido, o paciente precisa reduzir gradualmente o seu consumo, caso contrário pode morrer.
 

 

Os utilizadores de heroína irão receber a droga num local seguro, sob supervisão médica e são-lhes disponibilizadas apenas as seringas e agulhas descartáveis.
 

 

Com esta estratégia, o Governo pretende reduzir o consumo dessas drogas e também diminuir a transmissão de doenças como hepatite e Sida entre os utilizadores de drogas pesadas.
 

 

Enquanto a heroína e o crack são drogas classificadas na Grã-Bretanha como classe A, a mais perigosa, a cannabis caiu da classe B para a C.
 

 

Segundo o governo, 99 por cento dos custos com tratamentos de drogas vêm de drogas classe A - daí a intenção do governo em focalizar os seus programas no combate ao uso dessas drogas. Mais de um bilhão de libras esterlinas (R$ 5,7 bilhões) vão ser investidos nesses projectos até 2006.
 

 

O governo britânico também deu a autorização para estudos médicos sobre o uso de cannabis, desde que os especialistas obtenham licenças especiais para isso.
 

 

«Nós sabemos que a marijuana é perigosa, mas ela não leva à desintegração completa da vida das pessoas como o crack, a heroína e o ecstasy», explicou o ministro da Justiça David Blunkett.
 

 

A nova estratégia, no entanto, tem vindo a provocar diversas críticas. «Blunkett está a enviar uma mensagem de que o consumo da cannabis não é assim tão mau», disse Keith Hellawell, ex-coordenador do programa de drogas do governo britânico. A mudança de classe da marijuana continua a torná-la uma droga ilegal, mas as penas para o consumidor foram amenizadas.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.