Síndrome do cólon irritável: pacientes são mais suscetíveis à dor

Estudo apresentado na 22 º Semana Europeia de Gastroenterologia

07 outubro 2014
  |  Partilhar:

Os indivíduos com síndrome do cólon irritável processam de forma diferente os sinais de dor oriundos do intestino e esta resposta do cérebro alterada à dor é particularmente pronunciada nos pacientes com sintomas de depressão, defende um estudo apresentado na 22 º Semana Europeia de Gastroenterologia.
 

A síndrome do cólon irritável, a doença gastrointestinal mais comum, é caracterizada por dores abdominais ou desconforto recorrentes, inchaço e hábitos intestinais alterados, diarreia e/ou obstipação. A depressão e a ansiedade coexistem frequentemente com esta síndrome. Estudos recentes demonstraram que 38% dos pacientes com síndrome do cólon irritável têm depressão diagnosticada e 32% têm ansiedade.
 

O facto de muitas pessoas com síndrome do cólon irritável terem ansiedade e depressão levou a que muitos tivessem especulado que esta síndrome seria uma doença psicológica e não física. “Contudo, esta é uma doença complexa e resulta da interação de fatores psicológicos e biológicos. De facto, não se sabe se a ansiedade e a depressão resultam da síndrome do cólon irritável ou se estas contribuem para o desenvolvimento e manutenção dos sintomas. Para muitos pacientes, as duas podem simultaneamente ser verdade”, referiu, em comunicado de imprensa, a líder do estudo, Sigrid Elsenbruch.
 

Estudos neuroimagiológicos demostraram que o processamento de estímulos viscerais está alterado na síndrome do cólon irritável, apresentando muitos dos pacientes uma diminuição da tolerância à dor.  
 

Neste estudo, os investigadores da Universidade de Duisburg-Essen, na Alemanha, contaram com a participação de 17 pacientes com síndrome do cólon irritável e 17 indivíduos que integraram o grupo de controlo, os quais foram submetidos a distensões retais dolorosas. A ativação neuronal de áreas cerebrais envolvidas na dor foi analisada através de ressonâncias magnéticas funcionais. Este procedimento foi efetuado enquanto os indivíduos recebiam sequencialmente administrações de soro fisiológico e de um placebo.
 

O estudo apurou que nos indivíduos saudáveis ocorreu uma redução da ativação neuronal nas áreas cerebrais associadas à dor, tanto durante a administração do soro fisiológico como do placebo, o que é indicador da inibição da dor central. Contudo, este tipo de inibição não ocorreu nos pacientes com síndrome do cólon irritável, o que sugere que nestes indivíduos há uma deficiência no mecanismo de inibição central da dor. Verificou-se ainda que a depressão mais severa, mas não a ansiedade, estava associada à redução da inibição da dor.
 

“O nosso estudo sugere que os pacientes com síndrome do cólon irritável não processam os sinais da dor da mesma forma que os indivíduos saudáveis. Não são capazes de suprimir os sinais de dor no cérebro e, como resultado, sentem mais dor apesar de o estímulo ser o mesmo. O facto de a depressão estar associada a respostas cerebrais alteradas sugere que a depressão pode contribuir para o processamento anormal da dor nos pacientes com síndrome do cólon irritável”, conclui a investigadora.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.