Será possível prognosticar a aterosclerose?

Estudo publicado na revista “Journal of the American College of Cardiology”

01 abril 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores conseguiu, pela primeira vez, fazer o rastreio da aterosclerose através da deteção de inflamação nas artérias.
 
Os investigadores do Centro Nacional de Investigações Cardiovasculares, em Espanha, usaram tecnologia de imagem avançada, nomeadamente tomografia por emissão de positrões-imagem por ressonância magnética, para prognosticarem a aterosclerose.
 
A aterosclerose pode conduzir a problemas graves como ataques cardíacos e acidente vascular cerebral (AVC). Quando é detetada a acumulação de placa nas artérias, a doença encontra-se já num estado avançado.
 
Segundo apuraram os investigadores, a inflamação nas artérias é bastante prevalente em pessoas de meia-idade com aterosclerose subclínica, particularmente nas regiões com artérias que não tenham ainda desenvolvido placa. 
 
Para a sua investigação, a equipa analisou os resultados de tomografias por emissão de positrões-imagens por ressonância magnética de 755 pacientes, com uma média de idades de 49 anos. Todos os participantes apresentavam acumulação de cálcio ou placas em algumas artérias.
 
Foram examinados três tipos principais de artérias: as carótidas, que fornecem sangue à cabeça, a aorta, a artéria de maior dimensão do corpo e as artérias iliofemorais, que fornecem sangue às pernas.
 
A equipa descobriu que a inflamação era evidente em apenas cerca de 10% das placas que já se tinham formado. A maioria da inflamação encontrava-se nas regiões arteriais sem qualquer placa aterosclerótica. Mais de metade dos participantes apresentava este tipo de inflamação sem placas, maioritariamente nas artérias femorais. 
 
As placas que não evidenciavam sinais de inflamação tendiam a ser maiores, a conterem mais colesterol e a estarem situadas nas ramificações arteriais femorais. 
 
Os investigadores sugerem que um “estado inflamatório arterial” poderá constituir um prognosticador do desenvolvimento posterior de placas e de aterosclerose. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar