Sépsis pode ser diagnosticada em duas horas

Estudo publicado na revista “PLOS ONE”

21 outubro 2013
  |  Partilhar:

Investigadores do Reino Unido identificaram um biomarcador para a sépsis no sangue, tendo demonstrado que é possível diagnosticar esta doença em cerca de duas horas, segundo um estudo publicado na revista “PLOS ONE”.
 

A sépsis é uma condição potencialmente fatal onde o sistema imunológico reage de uma forma exagerada a uma infeção, o que pode resultar num choque sético. Os órgãos principais podem ser afetados e há uma diminuição severa na pressão sanguínea.
 

“A sépsis é um assassino silencioso. Um tratamento rápido com antibióticos é essencial, pois cada minuto conta. Contudo, os atuais métodos de diagnóstico podem demorar cerca de dois dias. Assim é urgente encontrar um teste diagnóstico preciso que possa ser realizado no leito do paciente”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, Graham Lord.
 

O investigador refere ainda que um outro fator importante é que os sintomas de sépsis são semelhantes a outros tipos de síndrome da resposta inflamatória sistémica, mas apenas a sépsis reponde ao tratamento com antibióticos. A administração de antibióticos neste tipo de condições similares pode também contribuir para a resistência aos antibióticos.
 

Neste estudo os investigadores do King's College London, Reino Unido, retiraram amostras de sangue de três grupos de indivíduos: alguns com sépsis, outros com síndrome da resposta inflamatória sistémica que não respondiam a antibióticos, e pessoas saudáveis. Foram encontrados níveis mais elevados de um grupo específico de microRNAs, pequenas moléculas não codificadoras que ajudam a regular a expressão de genes nas células, nas amostras dos indivíduos com sépsis do que nas outras amostras.
 

Os resultados foram replicados num maior grupo de indivíduos com sépsis severa. O método utilizado foi capaz de diagnosticar a sépsis em cerca de duas horas e com 86% de precisão.
 

“Identificamos pela primeira vez um grupo de biomarcadores no sangue que são bons indicadores da sépsis. Este é um desenvolvimento muito emocionante que tem o potencial de transformar completamente o controlo desta doença severa e salvar anualmente a vida de milhares pessoas em todo o mundo. Estes são de facto resultados iniciais promissores, agora necessitamos de testar esta abordagem num ensaio clínico de maior escala”, conclui o investigador.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.