Saciedade e o papel das bactérias intestinais

Estudo publicado na revista “Cell Metabolism”

27 novembro 2015
  |  Partilhar:
Vinte minutos após uma refeição, as bactérias intestinais produzem proteínas que suprimem o consumo de alimentos. O estudo publicado na revista “Cell Metabolism” sugere que estas bactérias ajudam a controlar quando e quanto comemos. 
 
Estes resultados obtidos pelos investigadores da Universidade de Rouen e o INSERM, em França, coexistem com os modelos atuais do controlo do apetite, que envolvem hormonas do intestino que sinalizam os circuitos cerebrais quando um indivíduo está com fome ou acabou de ingerir alimentos. 
 
Os investigadores constaram, pela primeira vez, que as proteínas bacterianas, produzidas pela bactéria Escherichia coli após uma refeição, influenciam a libertação de sinais, bem como ativam os neurónios reguladores do apetite no cérebro.
 
“Os nossos resultados indicam que as proteínas da Escherichia coli podem estar envolvidas nas mesmas vias moleculares que são utilizadas pelo organismo para sinalizar a saciedade, e agora necessitamos de saber como uma flora intestinal afetada pode afetar esta fisiologia”, revelou, em comunicado de imprensa, o líder do estudo, Sergueï Fetissov. 
 
As refeições trazem um influxo de nutrientes para as bactérias intestinais. Este estudo levanta uma teoria interessante, ou seja, se as bactérias intestinas dependem dos indivíduos para terem um local para viverem é da sua conveniência manterem-se estáveis. Faria então sentido que elas tivessem uma forma de comunicar ao hospedeiro quando necessitam de alimentos, promovendo deste modo a ingestão de nutrientes.
 
Os investigadores verificaram que após 20 minutos do consumo de nutrientes, a Escherichia coli produz diferentes tipos de proteínas daquelas produzidas antes das refeições. Estes 20 minutos parecem coincidir com o tempo que um indivíduo demora a sentir-se saciado após uma refeição. Com base nesta descoberta, os investigadores começaram a construir o perfil de proteínas bacterianas produzidas antes e após as refeições.
 
O estudo constatou que a injeção de pequenas doses de proteínas bacterianas produzidas após uma refeição a ratinhos que se tinham alimentado livremente ou que tinham fome reduzia o consumo de alimentos. Verificou-se que estas proteínas estimulavam a libertação do peptídeo YY, uma hormona associada à saciedade. Contudo, o mesmo não ocorreu com as proteínas produzidas antes das refeições. 
 
Os investigadores observaram que uma das proteínas bacterianas produzidas após uma refeição, a ClpB, aumentava a ativação dos neurónios que reduzem o apetite.
 
“Acreditamos que a bactéria participa fisiologicamente na regulação do apetite imediatamente após o fornecimento de nutrientes através da multiplicação e estimulação de hormonas da saciedade. Adicionalmente, achamos que a flora intestinal produz proteínas que podem estar presentes no sangue durante períodos mais longos e modulam as vias no cérebro”, concluiu Sergueï Fetissov.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Classificações: 1 Média: 3
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.