Risco de morte é maior no Alentejo e na zona de Lisboa

Estudo do Instituto de Saúde Ricardo Jorge

14 maio 2008
  |  Partilhar:

O Alentejo e Lisboa e Vale do Tejo lideraram a taxa de mortalidade entre os anos 2000 e 2004, revela um estudo do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, divulgado esta semana, o qual aponta para um risco relativo de morte nestas zonas entre 20 a 50% superior à média de Portugal continental.
 

 

Co-financiado pela Fundação Merck Sharp & Dohme, o estudo, que ainda só está na primeira fase de apresentação, visa avaliar a variação geográfica da mortalidade e internamentos hospitalares. As diferentes características geográficas, socioeconómicas e ambientais, bem como os diferentes estilos de vida podem explicar a discrepância dos números.
 

 

Nesta primeira fase, agora lançada em volume - "Análise da mortalidade e dos internamentos hospitalares por concelhos de Portugal Continental (2000-2004) " - foram consideradas quatro grandes causas de morte: doenças do aparelho respiratório, doenças do aparelho circulatório, neoplasias malignas e todas as causas, exceptuando as causas externas.
 

 

O estudo ressalta que Alvito, no Alentejo, foi o concelho com maior taxa de mortalidade nos anos referidos (1321,3 óbitos anuais por 100 mil habitantes), enquanto o concelho de Vendas Novas, também no Alentejo, registou a menor taxa de mortalidade no mesmo período (774,1 mortes anuais por 100 mil habitantes). Por outro lado, a taxa nacional de mortalidade foi de 964,8 por 100 mil habitantes.
 

 

Destaca-se também que Alvito registou as maiores taxas de mortalidade em todas as doenças do aparelho circulatório (Acidentes Vasculares Cerebrais, Isquémia). Já em relação ao cancro, Aljustrel e Alcochete foram os concelhos do continente com o maior risco de mortalidade. Da análise, pode destacar-se ainda que nas doenças respiratórias as maiores taxas situam-se no Centro e Norte do continente, embora em alguns concelhos de Lisboa e Vale do Tejo se destaque a mortalidade por Pneumonia e Gripe.
 

 

Fonte: Lusa
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.