Risco de infecção através da amamentação pode ser reduzido

Estudo feito no Ruanda aponta resultados

16 julho 2003
  |  Partilhar:

Uma nova investigação apresentada numa conferência sobre sida que decorre em Paris levanta a possibilidade de tornar mais segura a amamentação feita por mulheres seropositivas, o que poderá salvar milhões de vidas.
 

 

Actualmente, os programas para evitar a transmissão do vírus da imuno-deficiência humana (HIV) de mãe para filho nos países pobres tratam as mulheres apenas durante a gravidez e até uma semana depois do parto, sendo administrada aos bebés uma única dose de medicamento anti-sida ao nascimento.
 

 

Isto reduz para metade o risco dos bebés serem infectados pelo HIV, mas muitos destes ganhos são perdidos quando os bebés contraem mais tarde o vírus através da amamentação.
 

 

Ora, segundo o estudo apresentado terça-feira na conferência da Sociedade Internacional sobre Sida, em Paris, dar aos bebés uma dose diária de medicamento durante todo o período de amamentação pode reduzir significativamente a taxa de infecção por HIV através do leite materno.
 

 

As mulheres com HIV nos países em desenvolvimento são aconselhadas a não amamentar, apesar dos médicos saberem que a administração de potentes combinações de medicamentos pode reduzir drasticamente a propagação da doença de mãe para filho.
 

 

Todavia, os especialistas consideram impraticável convencer as mulheres a não amamentar, por um lado por falta de recursos para obterem alternativas e, por outro, por serem estigmatizadas ao levantarem a suspeita de serem seropositivas.
 

 

No estudo, efectuado no Uganda e no Ruanda por uma equipa chefiada por Joep Lange, da Faculdade de Medicina da Universidade de Amsterdão, 397 bebés receberam diariamente, durante seis meses, uma dose de xarope contendo um de dois medicamentos comuns contra a sida.
 

 

Destas crianças, apenas um por cento foi infectado pelo HIV através do lei materno, quando essa taxa foi de cerca de 15 por cento em bebés não submetidos a esse tratamento.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.