Retirar as amígdalas poderá curar enurese em crianças com apneia

Estudo apresentado na reunião anual da Associação Americana de Urologia

23 maio 2011
  |  Partilhar:

Metade das crianças com apeia do sono também sofre de enurese nocturna que poderá parar se forem removidas as amígdalas e  os adenóides, aponta um estudo norte-americano apresentado na reunião anual da Associação Americana de Urologia.

 

A apneia obstrutiva do sono é caracterizada por interrupções da respiração durante o sono e é comum entre crianças com hipertrofia das amígdalas e dos adenóides. Contudo, não se sabe exactamente como a apneia do sono conduz à enurese nocturna, mas as alterações hormonais podem desempenhar um papel significativo.

 

Neste estudo, liderado por Yegappan Lakshmanan, director de urologia pediátrica do Children's Hospital of Michigan, em Detroit, EUA, metade das 417 crianças que tinham apneia do sono e faziam xixi na cama, deixaram de fazer após a retirada das amígdalas  ou dos adenóides. As crianças do estudo tinham entre 5 e 18 anos e foram seguidas durante um ano após a cirurgia.

 

Os investigadores  suspeitaram que aquelas crianças que não deixaram de urinar involuntariamente após a cirurgia tinham uma maior probabilidade de terem sido prematuros, terem excesso de peso, serem do sexo masculino ou terem história familiar de enurese nocturna. O nascimento prematuro foi o factor mais fortemente relacionado com a enurese nocturna persistente após a cirurgia.

 

As crianças com apeia do sono têm mais dificuldade em acordar, o que poderia causar incontinência urinária, explicou, em comunicado, Dennis Kitsko, otorrinolaringologista do Children's Hospital of Pittsburgh. "No entanto, nem todas as crianças com apneia do sono urinam involuntariamente, e nem todos aqueles que o fazem, têm apneia", advertiu o especialista. 

 

A enurese nocturna tem muitas outras causas, apontou Yegappan Lakshmanan  "Cerca de 5 a 7 milhões de crianças sofrem de enurese nocturna e as causas são divididas em três grupos principais: transtornos da bexiga, do sono e dos rins", apontou Lakshmanan, acrescentando que “as crianças do estudo urinavam involuntariamente devido a problemas de sono."

 

Os resultados foram apresentados na reunião anual da Associação Americana de Urologia, em Washington. Porém as pesquisas apresentadas em reuniões médicas devem ser consideradas preliminares até que tenham sido publicados em revistas médicas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.