Ressonância magnética funcional para tratar a Síndrome de Tourette

Estudo publicado na revista “Biological Psychiatry”

09 setembro 2019
  |  Partilhar:
Investigadores da Universidade de Yale, EUA, descobriram que a ressonância magnética funcional em tempo real com neurofeedback pode ajudar no tratamento dos tiques causados pela Síndrome de Tourette.
 
Este método tem sido utilizado na psiquiatria para tratar depressões ou doença de Parkinson e, segundo Michelle Hampson, autora sénior, é “não invasivo e baseado na neurociência para treinar o cérebro humano a ir ao encontro de padrões mais saudáveis”.
 
Para o estudo, foram recrutados jovens entre os 11 e os 19 anos com Síndrome de Tourette que demonstravam uma certa frequência nos tiques, medidos pela Escala Global de Severidade de Tiques de Yale.
 
Os participantes tinham de aumentar e diminuir a atividade na área motora suplementar do cérebro que está associada aos tiques da Tourette. Esta atividade era representada em gráficos, em tempo real, durante as ressonâncias.
 
A equipa de investigadores descobriu uma redução significativa dos tiques durante o treino com neurofeedback, verificando uma melhoria destes participantes em relação ao grupo de controlo que recebeu os mesmos estímulos, mas sem um real neurofeedback, o que sugere que este método pode ajudar no tratamento da Tourette.
 
Os atuais tratamentos para esta síndrome passam por medicação e terapia comportamental, que não têm efeitos em toda a gente. Esta nova descoberta pode abrir caminho a uma nova forma de terapia.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar