Ressonância magnética eficaz na detecção do cancro da mama

Mamografia pode não ser suficiente para detectar alguns tumores

04 agosto 2004
  |  Partilhar:

Para as mulheres que, por antecedentes familiares ou perfil genético, têm um risco elevado de vir a sofrer de cancro da mama, a ressonância magnética é uma técnica mais precisa que a tradicional mamografia na detecção precoce do tumor. Esta foi a conclusão a que chegou uma equipa de investigadores holandeses, cujo estudo, publicado esta semana no “New England Journal of Medicine” (www.nejm.com), comparou as duas técnicas num grupo de quase 2.000 mulheres portadoras de um gene que aumenta o risco de desenvolver tumores mamários. A detecção precoce do cancro da mama é de extrema importância, nomeadamente para as mulheres que têm maior risco de contrair a doença. Os métodos de prevenção para este tipo de pacientes, portadoras de determinados genes que as predispõem a sofrer do cancro na mama, ou que tiverem casos de familares próximos com a doença, vão desde os medicamentos quimiopreventivos a uma vigilância intensiva por parte do médico. O problema surge quando apesar da vigilância médica e das habituais mamografias anuais, alguns tumores aparecem com um ritmo de crescimento muito rápido. Por este motivo, há já algum tempo que os investigadores tentam encontrar uma estratégia adicional que complemente a mamografia. A ressonância magnética poderá ser essa técnica. No estudo desenvolvido na Universidade de Roterdão, na Holanda, as mulheres foram examinadas cada seis meses por um especialista e anualmente faziam uma mamografia e uma ressonância magnética. Durante três anos detectaram-se 43 tumores, tendo a ressonância magnética detectado mais tumores que a mamografia. No editorial que acompanha este trabalho, a especialista Laura Liberman, do Memorial Sloan Kettering Cancer Center de Nova York, afirma que, cada mais, as evidências recomendam a ressonância magnética, como complemento da mamografia, na detecção dos cancros da mama entre mulheres com um perfil de risco elevado. Fonte: El Mundo

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.