Religião inibe sexo...

...mas aumenta fuga aos impostos, diz estudo

08 outubro 2003
  |  Partilhar:

Quando a religiosidade de um país aumenta, os cidadãos tendem a tornar-se mais intolerantes em relação ao divórcio, à homossexualidade, ao aborto e à prostituição, em geral, a todos os temas que envolvam moralidade sexual.
 

Mas esta intolerância não se mostra no mesmo nível quanto à omissão de receitas tendo em vista ou a um suborno a agentes públicos, segundo um estudo da Universidade da Pensilvânia, nos EUA
 

 

«Isso não quer dizer que pessoas religiosas são mais inclinadas a fugir aos impostos. O que nossos estudos mostram é que os níveis individuais ou nacionais de religiosidade têm um efeito mínimo na tendência à fuga porque já há uma proibição governamental sobre isso», diz Roger Finke, professor de sociologia e autor do estudo.
 

 

Segundo o investigador, a corrupção e a desonestidade tende a ser inibida apenas pelas leis, bem como pela sua aplicação efectiva ou não. Religiosidade, segundo o estudo, não é o sentimento espiritual de unidade com o Universo, mas um conjunto de rituais e crenças centrados num deus ou deuses todo-poderosos e moralmente exigentes.
 

 

Alguns dos países mais religiosos apontados no estudo foram os EUA, as Filipinas, a Polónia, a Nigéria e a Índia. Os resultados basearam-se na análise de dados de 46 países e 63.158 pessoas.
 

 

«Em países com menores índices de actividade religiosa, como a Suécia, a Dinamarca, o Japão e a antiga Alemanha Oriental, a influência da religiosidade individual na moralidade sexual é menor», acrescentou à Reuters Amy Adamczyk, que também participou no estudo.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

Jornalista
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.