Reiki e o Yoga utilizados para ajudar crianças com necessidades especiais

Iniciativa da associação Leque

17 agosto 2016
  |  Partilhar:

A Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Necessidades Especiais – Leque está utilizar o Reiki e o Yoga, em contexto aquático, para ajudar de forma terapêutica, crianças e jovens com necessidades especiais.
 

Segundo os promotores de uma colónia de férias frequentada por cerca de 26 crianças, jovens e adultos de todos o país, e de França, foi utilizado um método considerado "inovador", neste tipo de ajuda.

 

"Está comprovado cientificamente que o Reiki e o Yoga têm efeitos terapêuticos no alívio da dor, em pessoas com patologias graves, e nós estamos a utilizar esta terapia em contexto aquático, o qual já tinha sido ensaiado em sala, e verificamos que tem um efeito calmante em pessoas com autismo", explicou à agência Lusa a fundadora da associação Leque, Celmira Macedo.

 

A especialista em educação especial referiu que tanto o Reiki como o Yoga têm demonstrado efeitos terapêuticos positivos, mas, sempre com a sua utilização em contexto de sala, "em ambientes controlados".

 

"Quando estas duas terapias são utilizadas, em contacto com o meio natural, em locais como o Eco Parque do Azibo [Macedo de Cavaleiros] ou as águas do Douro Internacional [Miranda do Douro], os efeitos calmantes nos pacientes são intensificados, aliando os conhecimentos dos mestres à componente terapêutica e de intervenção na área da deficiência. Dado o relaxamento proporcionado, os frequentadores acabam mesmo por adormecer", explica a técnica.

 

A associação Leque está utilizar outros desportos aquáticos, como a canoagem, "stand up paddle" e embarcações do tipo catamarã, para o relaxamento de pessoas com autismo e outras deficiências, meios técnicos "que trazem um novo conceito" a este tipo de terapias.

 

Todo este trabalho "inclusivo e terapêutico" está estudado cientificamente por especialistas da Associação Cuidadores e pela Leque, que pretendem comprovar o impacto deste tipo de atividades, na qualidade de vida e no bem-estar dos frequentadores.

 

"Há uma equipa multidisciplinar que está a avaliar os efeitos na qualidade de vida e emocionais dos utilizadores, ou seja, quais são os efeitos verificados, após terem frequentado este tipo de colónias de férias", indicou Celmira Macedo.

 

Este tipo de trabalho tem sempre a avaliação dos familiares e cuidadores informais dos jovens que frequentam este tipo de atividades.
A mentora da Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Necessidades Especiais - Leque, Celmira Macedo, explica ainda que esta colónia de férias é um alívio para as famílias que têm filhos com deficiência, que, pela primeira vez, podem tirar férias tranquilamente.

 

"Tentamos conciliar o turismo rural como turismo terapêutico. Muitas destas crianças e jovens têm necessidades específicas e, por esse motivo, necessitam de um apoio terapêutico aliando a natureza à reabilitação psicomotora de cada um dos intervenientes", concluiu.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.