Regulador do metabolismo energético poderá desacelerar avanço do cancro

Estudo publicado na “Cell Metabolism”

02 janeiro 2013
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores da McGill University, no Canadá, descobriu um regulador do metabolismo energético nas células cancerígenas que poderá desempenhar um papel fundamental na restrição do crescimento deste tipo de células.

 

A proteína quinase ativada por AMP (AMPK) é ativada sempre que deteta alterações nos níveis de energia, ajudando a mudar o metabolismo quando os níveis de energia são baixos, tal como durante a prática de exercício físico ou em períodos de jejum. Neste estudo publicado na revista “Cell Metabolism” os investigadores constataram que a proteína AMPK regula o metabolismo das células cancerígenas, bem como pode desacelerar o crescimento das células cancerígenas.

 

Russell Jones, professor assistente do Goodman Cancer Research Centre e do Department of Physiology da Faculty of Medicine da McGill University, autor desta descoberta, e a sua equipa, conseguiram demonstrar que a proteína AMPK atua como supressora de tumores em animais.

 

Segundo o investigador, “ o cancro é uma doença em que as células perdem as restrições normais em termos de desenvolvimento e começam a dividir-se de forma descontrolada. Mas para poderem crescer rapidamente necessitam de energia suficiente para completarem essa tarefa”.

 

“A AMPK atua como o indicador de combustível de um automóvel: avisa o organismo quando os níveis de energia estão baixos e suspende o crescimento das células até haver energia suficiente no depósito. Queríamos saber se esse indicador afetava o desenvolvimento e progressão do cancro”, continua Russell Jones.

 

“Descobrimos que os tumores se desenvolviam mais rapidamente nos ratinhos que não expressavam a AMPK, o que sugere que esta proteína é importante no controlo do desenvolvimento tumoral, pelo menos em alguns tipos de cancro”, explica ainda. Este estudo foi baseado num tipo de cancro do sangue denominado linfoma.

 

Os resultados deste estudo vêm assim sugerir que a ativação da proteína AMPK em células cancerígenas poderá ser uma forma de desacelerar o progresso do cancro. Russell Jones tinha anteriormente descoberto que a metmorfina, um fármaco bastante utilizado no tratamento da diabetes, conseguia diminuir o crescimento de células tumorais.

 

Estes resultados parecem seguir a mesma linha do estudo anterior, sugerindo que tratamentos comuns de ativação da AMPK e de alteração do metabolismo, tal como a metmorfina, poderão ser utilizados no futuro para tratamento do cancro.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.