Redução na morte cardiovascular a longo prazo está a desacelerar

Estudo publicado na “International Journal of Epidemiology”

07 agosto 2019
  |  Partilhar:
Os índices de acidente vascular cerebral (AVC) e de morte cardíaca quase deixaram de diminuir em muitos países com um elevado poder de compra, indica um estudo recente.
 
O estudo, que foi efetuado por investigadores da Universidade de Melbourne, Austrália, teve como finalidade analisar as tendências em termos de mortalidade por doença cardiovascular (que consiste principalmente em doenças cardíacas e AVC) em 23 países, desde o ano 2000. 
 
Os investigadores observaram que os índices de mortalidade por doença cardiovascular em pessoas com idades entre os 35 e os 74 anos estão agora a descer muito pouco ou mesmo a aumentar em 12 dos países analisados.
 
Nos EUA e nas mulheres canadianas, a mortalidade por doença cardiovascular aumentou no último ano. Na Austrália, Reino Unido e Nova Zelândia as descidas anuais nas mortes cardiovasculares diminuíram para entre 20 a 50% em relação ao início do milénio.
 
Segundo Alan Lopez, investigador neste estudo, os resultados sugerem que a obesidade, ou pelo menos a alimentação desadequada, poderá estar a contribuir de forma significativa para a desaceleração na redução das mortes cardiovasculares. 
 
“Cada um destes países tem níveis de obesidade muito elevados. Na Austrália, perto de um terço dos adultos são obesos”, explicou. Contudo, outros fatores como fumar, hipertensão, diabetes e colesterol elevado, contribuem igualmente para a morte por doença cardiovascular.
 
Por outro lado, foi observado que os índices de mortalidade cardiovascular na Itália e França têm tido as reduções mais notáveis dos últimos anos.
 
Os autores do estudo consideram que o efeito das intervenções bem-sucedidas para diminuir a mortalidade cardiovascular dos últimos 50 anos está a desaparecer e que é necessário um investimento significativo em medidas de saúde preventiva como aumentar a atividade física, ter uma alimentação mais saudável e reduzir a obesidade.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar