Rastreio do cancro do colo do útero

União Europeia financia estudo com vista a aumentar a sua detecção precoce

06 janeiro 2001
  |  Partilhar:

O cancro do colo do útero é o 2º cancro ginecológico mais frequente no mundo. O prognóstico está directamente relacionado com a altura em que este é diagnosticado. Cientistas vão iniciar um estudo em toda a Europa, englobando 35.000 mulheres, para melhorar o seu diagnostico precoce.
 

 

O método usado actualmente para rastrear este carcinoma é o exame citológico anual do colo uterino (conhecido como teste de Papanicolau). Mas num estudo realizado há cerca de meio ano provou-se que este teste só reconhece aproximadamente metade dos casos em que já seria necessário uma intervenção terapêutica. Apesar deste achado, o exame citológico continua a ser o rastreio mais eficaz, e a frequência do carcinoma do colo do útero diminuiu drasticamente desde que foi introduzido. A sua real eficácia está dependente da destreza do médico em realizar a colheita da celulas do colo do útero, na qualidade da sua “fixação” na lamina e por último na experiência do citologista para encontra células malignas.
 

 

O HPV (Paplioma Vírus Humano) está na origem de muitos carcinomas do colo. Um exame citológico associado a uma detecção do HPV, detecta a quase totalidade das mulheres com possibilidade de desenvolverem um carcinoma do colo do útero. Mas aqui surge um outro problema: existem mais de 100 tipos de HPV´s, destes só alguns são carcinogénicos e somente 0,3% das mulheres infectadas irão realmente desenvolver um tumor maligno.
 

 

Assim o objectivo deste estudo, encomendado pela União Europeia, é saber quantas vezes por ano deverá ser examinada uma mulher que não apresenta alterações citológicas mas se encontra infectada com um papilomavirus carcinogénico.
 

 

Caso haja alterações citológicas ou for detectada a presença de HPV´s as pacientes são envidas para um exame com colposcópio. Se for detectado algo de anormal faz-se uma biopsia que é enviada ao patologista. Comprovando-se uma alteração maligna é realizada uma pequena cirurgia (conização).
 

 

David Ferreira
 

MNI - Médicos Na Internet
 

 

Fonte: Ärzte Zeitung

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.