Rastreio do cancro da próstata diminui mortes em 20%

Estudo publicado no “New England Journal of Medicine”

25 março 2009
  |  Partilhar:

O rastreio do cancro da próstata pode reduzir em 20% o número de mortes provocadas por este tipo de cancro, de acordo com os resultados do “European Randomized Study of Screening for Prostate Cancer” (ERSPC) publicado no “New England Journal of Medicine”.

 

Este estudo teve início no começo de anos noventa e envolveu a participação de oito países - Bélgica, Finlândia, França, Itália, Holanda, Espanha, Suécia e Suiça - tendo tido um período de acompanhamento de 12 anos.

 

Os 162 mil participantes que efectuaram o rastreio do cancro da próstata, através da medição do antigénio específico da próstata (PSA), tinham idades compreendidas entre os 55 e os 69 anos. Este rastreio foi realizado de quatro em quatro anos, com um período de acompanhamento de 9 anos. Para este estudo, foram considerados valores normais de PSA até 3,0 ng/ml, valor a partir do qual os homens eram submetidos a uma biopsia.

 

Fritz Schröder, coordenador internacional da ERSPC, divulgou à agência Reuteurs Health que os resultados deste estudo mostraram que, por um lado, o rastreio do cancro reduziu em 20% o número de mortes e, por outro lado, que a análise do PSA se revela um teste eficaz na prevenção de mortes.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.