Radioterapia Acelerada Parcial da Mama tão eficaz como a convencional

Estudo publicado na revista “The Lancet”

12 dezembro 2019
  |  Partilhar:
Um estudo a longo prazo realizado na McMaster University, Canadá, revela que a Radioterapia Acelerada Parcial da Mama (APBI, na sigla em inglês) tem tão bons resultados quanto a radioterapia convencional.
 
A APBI é um método que leva maiores doses de radiação às zonas da mama afetadas pelo cancro. É um tratamento que dura uma semana ou menos, ao contrário das 3 a 5 semanas do tratamento comum.
 
O ensaio controlado e randomizado ocorreu entre 2006 e 2011 em 33 centros de tratamento do cancro no Canadá, Austrália e Nova Zelândia, com 2.135 participantes mulheres com 40 ou mais anos de idade com carcinoma ductal ou cancro da mama não linfático.
 
A metade das pacientes foi atribuída a radiação total da mama, uma vez por dia durante 3 a 5 semanas. A outra metade recebeu a APBI duas vezes por dia durante 5 a 8 dias.
 
O estudo seguiu as mulheres durante uma média de 8,6 anos. Aos 8 anos, o risco de reincidência era muito baixo e semelhante entre os dois grupos, sendo 3% para as pacientes de APBI e 2.8% para o outro grupo.
 
Contudo, a equipa surpreendentemente descobriu que, apesar de se observar menor toxicidade nos primeiros três meses no grupo da APBI, o regime de 2 vezes por dia causou mais efeitos tóxicos e piores aspetos estéticos.
 
Este grupo evidenciou mais vasos dilatados visíveis na pele e espessura da pele da mama: apenas “cerca de 13% das pacientes do grupo de tratamento convencional demonstrou toxicidade moderada, comparado com 32% do grupo da APBI”, revela Timothy Whelan, autor principal.
 
Cerca de 16% das mulheres submetidas à APBI não achavam que a sua mama tinha tão bom aspeto como antes. “Com base nisto, não a podemos recomendar duas vezes por dia”.
 
Os investigadores estão agora a analisar os efeitos da APBI uma vez por dia e os resultados preliminares são também positivos.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar