Quedas dos idosos podem ser impedidas com nova tecnologia

Projeto do centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS

22 dezembro 2016
  |  Partilhar:

O centro de investigação Fraunhofer Portugal AICOS, do Porto, está a desenvolver uma tecnologia que envolve dança tradicional e tai chi e permite aos idosos treinar a força e o equilíbrio em casa, prevenindo a ocorrência de quedas.
 

O programa, desenvolvido para utilização ao domicílio através de um equipamento ligado ao televisor e um conjunto de quatro sensores, colocados nos braços e nas pernas, pode auxiliar os idosos na prevenção de quedas, situação que, segundo o centro de investigação, é responsável por 50% dos casos de idosos hospitalizados.
 

António Santos, o gestor de projetos do centro, revelou à agência Lusa que este é um projeto que tem como objetivo "a promoção da atividade física na terceira idade", acrescentando que estas modalidades foram escolhidas pela "componente lúdica e de entretenimento que lhes estão associadas".
 

Apesar de ter sido desenvolvido para uso nos domicílios, nos centros de dia ou nos lares, os investigadores não pretendem que "as pessoas se mantenham sempre em casa", existindo no projeto, para esse efeito, uma componente que serve para estimular a conectividade social.
 

A recomendação é que este programa, resultante de um trabalho iniciado há seis meses, seja utilizado duas a três horas por semana, "de forma a haver um impacto real na condição física da pessoa", explicou António Santos.
 

Neste momento, a tecnologia está a ser validada pelos seniores da Rede Colaborar, um grupo de cerca de mil idosos que participam voluntariamente na validação das tecnologias desenvolvidas pelo Fraunhofer Portugal AICOS.
 

Os voluntários desta rede têm testado a tecnologia no LivingLab, um laboratório do centro, criado em 2011, com o intuito de proporcionar "um espaço acolhedor" e que permita receber as pessoas associadas ao projeto, "muito importantes no teste e na validação de toda a tecnologia" desenvolvida, referiu a investigadora Inês Sousa.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar