Próteses ortopédicas: novo revestimento impede rejeição

Estudo da Universidade do Minho

30 janeiro 2014
  |  Partilhar:

A rejeição das próteses ortopédicas pelo organismo humano pode agora ser travada por um revestimento inovador desenvolvido pelos investigadores da Universidade do Minho (UMinho).
 

No comunicado, ao qual a agência Lusa teve acesso, a UMinho refere que este novo revestimento além de ser mais eficiente, duradouro e resistente ao desgaste e à corrosão, também reduz a colonização microbiana responsável pelas infeções nas próteses
 

O revestimento desenvolvido pelo Centro de Física da Escola de Ciências inclui na sua composição nano-aglomerados de prata, passando a inovação da pesquisa pela ativação da prata de modo a exponenciar a sua atividade antimicrobiana. Este revestimento pode ser aplicado em implantes ortopédicos do joelho e da anca, bem como em próteses de discos intervertebrais.
 

De acordo com a UMinho, este estudo já suscitou interesse na comunidade médica e já foi celebrado um protocolo de colaboração com um hospital de Braga para proceder a estudos físico-químicos e biológicos em próteses recuperadas de cirurgias de rejeição.
 

A coordenadora do projeto, Sandra Carvalho, explica que a fadiga por fratura e desgaste são os principais fatores responsáveis pela rejeição e falha de implantes médicos.
 

“O processo de desgaste origina resíduos, cuja acumulação dá origem a reações agudas do tecido envolvente, que tendem a agravar e acelerar a falha do biomaterial”, acrescenta, lembrando que em situações mais graves pode ser necessária a remoção do implante devido a infeções.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.